Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Geólogos alertam para risco de desabamento do restante troço da EN255

O presidente da Associação Portuguesa de Geólogos (APG), José Romão, alertou hoje para o risco de desabamento do restante troço da estrada, junto às pedreiras em Borba, no distrito de Évora, que colapsou na segunda-feira.

Geólogos alertam para risco de desabamento do restante troço da EN255
Notícias ao Minuto

19:57 - 22/11/18 por Lusa

País Acidente/Borba

Em declarações à agência Lusa, o responsável avisou que os possíveis novos deslizamentos podem ser provocados pela liquefação do material argiloso que não caiu ou pela falha por onde o material que já caiu descolou.

José Romão observou que "a argila entrou em liquefação e provocou o deslocamento do material", mas advertiu que "outra parte, que ainda não entrou em liquefação, está lá e pode chegar, outra vez, ao limite de liquidez" e provocar um novo deslizamento.

Por outro lado, o presidente da APG alertou que "a falha por onde escorregou o material", na segunda-feira, "pode prolongar-se para um lado ou para o outro" da estrada e pode originar um novo deslizamento "mais à frente ou mais atrás".

"É [necessário] perceber se há alguma falha, alguma descontinuidade, por onde o material descolou e, se essa descontinuidade está lá, ela pode ter deslocado um segmento e no outro segmento não ter deslocado", referiu.

O também geólogo salientou, por outro lado, que podem ocorrer "novos escorregamentos em consequência de um novo desequilíbrio da vertente", sublinhando que terá de haver "muito cuidado com a retirada do material" que se acumulou no sopé da vertente.

"Se este tempo continuar, com mais chuva, a água vai fazer com que haja instabilidade das argilas que estão no topo e vai lubrificar as zonas de acidente", havendo "tendência para a ocorrência de mais escorregamentos", sublinhou.

José Romão considerou que "as vertentes íngremes próximas de 90 graus e a existência de falhas e fraturas" são "fatores que potenciam os escorregamentos", mas referiu que o deslizamento de terras e colapso de um troço da estrada, na segunda-feira, poderá ter sido desencadeado pela "chuva e vibração" dos veículos que passavam na via.

"Tem chovido bastante e as argilas que estão no topo, que estão sobre os calcários, são relativamente plásticas e, com a quantidade de precipitação, poderão ter atingido o limite de liquidez", apontou.

Além disso, acrescentou, "quando ocorreu o escorregamento, estavam a passar na estrada veículos e a sua vibração pode ter sido um fator desencadeante".

"Todos esses fatores podem ter provocado a desagregação da parede", concluiu.

O deslizamento de um grande volume de terras e o colapso de um troço da estrada entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évora, para o interior de poços de pedreira ocorreu na segunda-feira às 15:45.

Segundo as autoridades, o colapso de um troço de cerca de 100 metros da estrada terá arrastado para dentro da pedreira contígua, com cerca de 50 metros de profundidade, uma retroescavadora e duas viaturas civis, um automóvel e uma carrinha de caixa aberta.

Na terça-feira à tarde foi retirado o corpo de um dos dois mortos confirmados, havendo ainda três pessoas dadas como desaparecidas.

O Ministério Público instaurou "um inquérito para apurar as circunstâncias que rodearam a ocorrência", segundo a Procuradoria-Geral da República, e duas equipas da Polícia Judiciária estão no local desde quarta-feira a proceder a investigações.

O Governo pediu na quarta-feira uma inspeção urgente ao licenciamento, exploração, fiscalização e suspensão de operação das pedreiras situadas na zona de Borba.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório