Equador admite restrição no acesso a sistema da embaixada em Londres

O Governo do Equador admitiu hoje que restringiu de forma temporária o acesso ao sistema de comunicação da sua embaixada em Londres, onde está exilado o fundador do Wikileaks, Julian Assange.

© Reuters
Mundo Julian Assange

"O Governo do Equador respeita o princípio de não-ingerência nos assuntos de outros países, não se imiscui em processos eleitorais em curso, nem apoia nenhum candidato em especial", refere, em comunicado, a embaixada do Equador.

PUB

O Wikileaks denunciou segunda-feira que o acesso de Julian Assange à Internet tinha sido "interrompido deliberadamente".

Hoje, aquele portal revelou que o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pediu ao Equador para evitar que o Wikileaks divulgue informação classificada sobre a candidata à Casa Branca Hillary Clinton sobre as negociações de paz entre o Governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

O Equador reafirma, no comunicado, que que concedeu asilo político a Assange em 2012 devido aos seus "legítimos medos de perseguição política" devido à sua atividade de jornalista como editor do Wikileaks.

Nas últimas semanas, continua, o "Wikileaks divulgou uma grande quantidade de documentos que têm impacto sobre a campanha eleitoral nos Estados Unidos" e a "decisão de tornar pública aquela informação é da responsabilidade do Wikileaks".

Por isso, o Equador, no "exercício do seu direito soberano, restringiu temporariamente o acesso a parte do seu sistema de comunicações na sua embaixada no Reino Unido", refere a nota oficial, acrescentando que aquela restrição não impede que o Wikileaks realiza a sua atividade.

O Departamento de Estado norte-americano negou hoje que John Kerry tenha pedido ao Equador para evitar que fosse divulgada informação classificada sobre Hillary Clinton.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser