Meteorologia

  • 14 OUTUBRO 2019
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

UE continua a permitir a fuga ao fisco por parte das multinacionais

Os europeus continuam a facilitar a evasão fiscal das multinacionais, apesar das promessas feitas há apenas um ano de combate a esta prática, denunciaram na terça-feira várias organizações não-governamentais (ONG).

UE continua a permitir a fuga ao fisco por parte das multinacionais
Notícias ao Minuto

06:10 - 03/11/15 por Lusa

Mundo ONG

O sistema fiscal na Europa "continua a oferecer uma grande palete de opções para as multinacionais que desejam escapar aos impostos", afirmou-se no relatório, que foi divulgado um ano depois das revelações batizadas LuxLeaks, que causaram escândalo.

Em novembro de 2014, as revelações de centenas de acordos fiscais concluídos entre multinacionais e Estados revelaram um sistema de evasão fiscal em grande escala e, em particular, o papel desempenhado pelo Luxemburgo.

Este sistema permitia uma imposição fiscal insignificante para as multinacionais, comparada com os seus colossais lucros.

Perante a dimensão do escândalo, a Comissão Europeia, que tinha acabado de entrar em funções, presidida pelo luxemburguês Jean-Claude Juncker, e os Estados membros comprometeram-se com uma maior transparência.

Um ano depois, "mesmo que tenha havido algumas mudanças e que certas escapatórias fiscais tenham sido suprimidas, é forçoso constatar que perdura o mesmo sistema complexo e disfuncional de acordos fiscais, convenções fiscais, sociedades fantasma e regimes fiscais preferenciais", denunciaram 15 ONG.

A falta resulta designadamente da concorrência fiscal a que os Estados se entregam para atrair multinacionais. "Todos os Estados europeus, sem exceção, participam esta corrida", assegurou o relatório, que destacou o desenvolvimento das vantagens fiscais associadas à propriedade intelectual.

Na União Europeia estão em vigor, ou preparam-se para vigorar, 12 mecanismos deste género, dos quais seis foram introduzidos nos últimos cinco anos, especificou-se no documento.

Conscientes da necessidade de agir, os europeus fizeram avanços ao adotarem em outubro um sistema de troca automática de informações sobre os acordos fiscais entre os governos e as multinacionais.

Em meados de novembro, os membros do grupo das 20 principais economias (G-20) devem ir mais longe para procurar travar as técnicas de otimização fiscal das empresas, que fazem 'desaparecer' os seus lucros em territórios de baixa imposição fiscal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório