Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 22º

"Ana está livre". Mulher de 47 anos eutanasiada após anos de luta no Peru

Ana Estrada convivia com uma doença rara e incurável, a polimiosite, há 30 anos. Estava acamada e precisava de um ventilador para respirar.

"Ana está livre". Mulher de 47 anos eutanasiada após anos de luta no Peru
Notícias ao Minuto

23:32 - 22/04/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Peru

Uma mulher peruana, que sofria de uma doença degenerativa, morreu no domingo, depois de ser sujeita a eutanásia na sequência de uma longa batalha judicial no Peru.

O tribunal tomou uma decisão histórica que lhe permitiu terminar a sua vida com assistência médica, revelou a sua advogada Josefina Miro Quesada, esta segunda-feira, através de um comunicado publicado na rede social X (antigo Twitter).

"O caso de Ana permitiu que a justiça peruana tenha reconhecido pela primeira vez na sua história que todos temos direito a morrer com dignidade", pode ler-se.

Ana Estrada, de 47 anos, convivia há três décadas com uma doença rara e incurável, a polimiosite, que lhe causava fraqueza muscular. Estava acamada e precisava de um ventilador para respirar.

A mulher, psicóloga de profissão, entrou na Justiça em 2016 para lutar pelo acesso à eutanásia, prática ilegal no Peru. Em 2022, o Supremo Tribunal do país confirmou a decisão de exceção para a peruana e isentou o médico que fez o procedimento de qualquer punição.

"A Ana está livre. A Ana partiu grata a todas as pessoas que ajudaram a dar-lhe voz, que estiveram com ela durante esta luta e que apoiaram a sua decisão incondicionalmente, com amor e empatia", acrescentou a advogada.

De recordar que, segundo a agência Reuters, a eutanásia é ilegal na maioria dos países, incluindo o Peru. De acordo com a lei do país, esta prática é punível com pena de prisão.

Anteriormente, em entrevista à Reuters após a sua vitória em tribunal, Ana disse esperar que o seu caso abra um precedente legal para o direito à morte medicamente assistida.

"Chegará um momento em que não poderei mais escrever, nem me expressar. O meu corpo falha, mas a minha mente e o meu espírito estão felizes. Quero que os últimos momentos da minha vida sejam assim", afirmou Ana, na altura.

Leia Também: Aos 28 anos, prefere morrer do que viver com problema de saúde mental

Recomendados para si

;
Campo obrigatório