Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 25º

Presidente turco critica veto dos EUA a adesão da Palestina na ONU

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou hoje o veto dos Estados Unidos à entrada da Palestina como membro de pleno direito da ONU, mas esclareceu que "não esperava outra coisa" da administração Biden.

Presidente turco critica veto dos EUA a adesão da Palestina na ONU
Notícias ao Minuto

15:45 - 19/04/24 por Lusa

Mundo Médio Oriente

Erdogan observou durante uma conferência de imprensa, citado pelo jornal Daily Sabah, que "o mundo inteiro apoiou a Palestina", mas "infelizmente, os Estados Unidos tomaram posição de Israel".

Os Estados Unidos vetaram na quinta-feira, no Conselho de Segurança, a resolução que abria a porta à entrada da Palestina como membro de pleno direito das Nações Unidas, da qual é atualmente apenas um Estado observador.

Um total de 12 países votaram a favor -- incluindo a Rússia e a China -- enquanto o Reino Unido, outro membro permanente, se absteve, tal como a Suíça.

Washington alega que a ONU não é o lugar para o reconhecimento de um Estado palestiniano, defendendo que isso deve decorrer de um acordo entre Israel e os palestinianos.

Também enfatizam que a legislação norte-americana exigiria que cortassem o seu financiamento à ONU no caso de adesão palestiniana fora de tal acordo bilateral.

O último veto à adesão de um Estado à ONU data de 1976, quando os norte-americanos bloquearam a entrada no Vietname.

Erdogan também criticou o alegado ataque de Israel ao Irão, na madrugada de hoje, como retaliação por Terrão ter enviado 'drones' e mísseis para Telavive no fim de semana passado.

"Israel diz uma coisa e o Irão outra, não ouvimos um único comentário razoável de nenhuma das partes", disse.

Anteriormente, as autoridades turcas tinham alertado para o perigo de um "conflito permanente" na região do Médio Oriente, garantido que Ancara está a acompanhar de perto a situação.

"A prioridade da comunidade internacional deve ser acabar com o massacre na Faixa de Gaza e alcançar uma paz duradoura na nossa região através da criação de um Estado palestiniano", sublinhou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em comunicado hoje divulgado.

A ofensiva israelita contra Gaza, que começou como resposta a um ataque sem precedentes do movimento islamita palestiniano ao território israelita em 07 de outubro passado, já fez cerca de 34 mil mortos, além de ter causado a destruição da maioria das infraestruturas civis, provocando uma das maiores crises humanitárias do mundo.

Leia Também: Presidente turco recebe líder do Hamas no fim de semana

Recomendados para si

;
Campo obrigatório