Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2024
Tempo
MIN 9º MÁX 14º

Migrações: Berlim defende o papel das ONG após críticas de Roma

A chefe da diplomacia alemã defendeu hoje o papel das organizações não-governamentais (ONG) que ajudam os migrantes que tentam entrar na Europa através de Itália, após críticas de Roma sobre o apoio financeiro de Berlim a estas estruturas.

Migrações: Berlim defende o papel das ONG após críticas de Roma
Notícias ao Minuto

19:52 - 28/09/23 por Lusa

Mundo Migrações

"Salvar pessoas do afogamento no mar é uma obrigação legal e europeia", sublinhou Annalena Baerbock, durante uma conferência de imprensa conjunta com o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Antonio Tajani.

A chefe da diplomacia alemã assegurou que o pagamento de fundos alemães às ONG que ajudam migrantes é iminente, apesar de reconhecer as divergências relativamente ao posicionamento de algumas dessas estruturas humanitárias, alegando ainda que é urgente ajudar as autoridades italianas no esforço de acolhimento.

O número de chegadas às costas italianas de embarcações provenientes do norte de África com migrantes a bordo aumentou substancialmente, com mais de 130.000 pessoas registadas até agora este ano, número bastante expressivo quando comparado com as 70.000 contabilizadas no mesmo período em 2022.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, escreveu esta semana ao chanceler alemão, Olaf Scholz, para lhe transmitir a sua surpresa perante o anúncio de que Berlim financiará organizações envolvidas no resgate marítimo de migrantes e na respetiva receção em Itália, sem incluir o Governo italiano.

À margem de uma reunião, na segunda-feira em Paris, com a sua homóloga francesa, Catherine Colonna, Antonio Tajani manifestou satisfação com a solidariedade francesa, mas frisou na mesma ocasião que esperava explicações por parte de Berlim.

"Ninguém está a travar uma guerra contra organizações não-governamentais", disse hoje Tajani ao lado de Baerbock, acrescentando, porém, que "estas não podem ser (...) uma espécie de íman para atrair migrantes irregulares".

Tajani apelou a uma "ação europeia" que não deixe "nenhum país sozinho" para "impedir que os traficantes de seres humanos explorem economicamente mulheres e homens que fogem da pobreza e da doença".

O chefe da diplomacia italiana defendeu ainda que a Europa deve ser "muito severa" na sua luta "contra estas organizações criminosas que são as mesmas que traficam armas e drogas".

Esta reunião bilateral em Berlim ocorreu no mesmo dia em que a Alemanha deu luz verde, em Bruxelas, a um texto-chave do pacto europeu de migração, um regulamento destinado a organizar uma resposta comunitária no caso de um fluxo maciço de migrantes para um país da União Europeia (UE).

Leia Também: Itália pede tempo para analisar compromisso sobre novo pacto

Recomendados para si

;
Campo obrigatório