Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
35º
MIN 20º MÁX 37º

Presença de Zelensky na cimeira do G7 "pode ser um virar do jogo"

A presença de Volodymyr Zelensky na cimeira do G7 "pode ser um virar do jogo" para a Ucrânia, disse hoje o Presidente francês, Emmanuel Macron, à entrada de uma reunião bilateral com o homólogo ucraniano em Hiroxima, Japão.

Presença de Zelensky na cimeira do G7 "pode ser um virar do jogo"
Notícias ao Minuto

16:47 - 20/05/23 por Lusa

Mundo G7

"Esta é uma oportunidade única" para Zelensky discutir com os seus aliados do G7 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo), mas também para defender a causa da Ucrânia contra a invasão russa junto dos vários líderes dos países do Sul convidados para a cimeira, sublinhou Macron, dirigindo-se em inglês ao seu homólogo ucraniano.

"Acho que pode ser um virar do jogo", acrescentou, assegurando ao Presidente ucraniano que a França ficará ao lado de Kiev "até ao fim". Volodymyr Zelensky agradeceu o apoio.

Desde que chegou, esta tarde, a Hiroxima, Zelensky manteve encontros bilaterais com responsáveis do G7 e também já estabeleceu contactos com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, que lhe garantiu que a Índia fará "todo o possível" para resolver o conflito na Ucrânia.

Segundo a Presidência francesa, o Presidente brasileiro Lula da Silva também pretende encontrar-se com Zelensky durante a cimeira: "Ele tem demonstrado grande disponibilidade para o diálogo", referiu.

Os membros do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), mais a União Europeia, estão desde sexta-feira reunidos numa cimeira na cidade japonesa de Hiroxima.

Os líderes apelaram já à China para pressionar a Rússia a parar a guerra contra a Ucrânia, ao mesmo tempo que afirmaram querer relações "construtivas e estáveis" com Pequim.

"Apelamos à China para que exerça pressão sobre a Rússia para que cesse a sua agressão militar e retire as suas tropas da Ucrânia de forma imediata, total e incondicional", afirmaram num comunicado citado pela agência francesa AFP.

Pequim continua a ser um aliado próximo de Moscovo e nunca condenou a invasão russa, mas enviou um diplomata à Europa, esta semana, para tentar mediar uma solução para o conflito.

A guerra da Rússia contra a Ucrânia mergulhou a Europa naquela que é considerada como a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Desconhece-se o número de baixas civis e militares no conflito, mas diversas fontes, incluindo as Nações Unidas, têm admitido que será muito elevado.

Leia Também: China expressa "forte insatisfação" com países do G7

Recomendados para si

;
Campo obrigatório