Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 22º

Dirigentes do G5 Sahel reúnem-se para discutir "nova estratégia"

Os ministros da Defesa e os chefes de Estado-Maior do G5 Sahel reuniram-se na quinta-feira em Niamey para refletir sobre uma "nova estratégia" para aquela força anti-'jihadista' após a retirada do Mali em maio, noticia hoje a AFP.

Dirigentes do G5 Sahel reúnem-se para discutir "nova estratégia"
Notícias ao Minuto

12:00 - 23/09/22 por Lusa

Mundo Sahel

A reunião visava "discutir sobre a nova configuração" da força conjunta após "a retirada do Mali" e a partida da força especial Barkhane daquele país africano, diz o comunicado final do encontro, citado pela agência francesa de notícias.

"Esta situação impõe-nos adotar novas estratégias para lutar eficazmente contra os grupos armados terroristas no espaço comum", lê-se no texto, que não adianta qualquer pormenor sobre essa nova estratégia.

O G5 Sahel é uma força militar conjunta que juntava, até maio, o Níger, o Burkina Faso, a Mauritânia, o Chade e o Mali.

Largamente financiada pela União Europeia, a força representava, aos olhos dos parceiros internacionais do Sahel, uma porta de saída numa região atingida pelo extremismo islâmico.

Mas, em cinco anos, as operações conjuntas foram poucas e a situação securitária no Sahel não parou de se agravar.

Apesar dos esforços dos Estados, com o apoio de parceiros, "a situação securitária continua preocupante, nomeadamente na zona das 'três fronteiras'", onde Burkina Faso, Mali e Níger se unem.

"A fórmula atual (...) já não pode responder às nossas preocupações operacionais", disse, na abertura da reunião, o general Gninguengar Mandjita, chefe de Estado-Maior das Forças Armadas do Chade, país que detém a presidência do G5 Sahel.

O ministro nigerino da Defesa, Alkassoum Indatou, disse que, "além das dificuldades financeiras", o G5 Sahel sofre atualmente de um "problema de coesão e de unidade de ação (...) minadas desde a retirada do Mali.

Em meados de maio, as autoridades de transição do Mali, impedidas de presidir ao G5 Sahel, decidiram retirar-se da força conjunta invocando uma "perda de autonomia" e "uma instrumentalização" no seio da organização.

Em julho, os Presidentes do Chade, Mahamat Idriss Déby, e do Níger, Mohamed Bazoum, insistiram em manter o G5 Sahel, apesar da saída do Mali.

A junta militar no poder no Mali desde 2020 forçou este ano a saída dos militares da operação francesa Barkhane, que esteve nove anos a combater o fundamentalismo islâmico no país.

Leia Também: Guterres alerta que crise de segurança no Sahel é "ameaça global"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório