Meteorologia

  • 06 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 31º

Ucrânia: Tribunal russo confirma que 115 soldados recusaram combater

Um tribunal militar russo na região de Kabardino-Balkaria (sul) confirmou a exoneração de 115 soldados do Exército por se recusarem a participar da ofensiva na Ucrânia.

Ucrânia: Tribunal russo confirma que 115 soldados recusaram combater

Este caso parece ser o primeiro oficialmente confirmado de soldados russos que se recusam a participar na campanha militar lançada pela Rússia na Ucrânia, em 24 de fevereiro.

O tribunal militar russo confirmou - de acordo com um comunicado de imprensa divulgado na quarta-feira - que os militares "se recusaram, arbitrariamente, a cumprir uma missão oficial", rejeitando o seu recurso interposto neste processo.

O tribunal alega que reviu os "documentos necessários" e questionou funcionários da Guarda Nacional - uma força de segurança interna que também participa nas operações militares na Ucrânia, mas que não faz parte do exército russo.

A audiência judicial foi realizada à porta fechada, para evitar a revelação de "segredos militares", acrescentou o tribunal, que não clarificou onde estavam estacionados esses soldados na Rússia.

O serviço de imprensa do tribunal, citado pela agência de notícias Interfax, informou hoje que as pessoas envolvidas no processo eram membros da Guarda Nacional que se recusaram a realizar uma missão ligada à "operação militar especial" na Ucrânia ordenada por Moscovo.

A Rússia lançou, em 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito superior.

A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também as Nações Unidas disseram que cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Mais dois soldados russos declaram-se culpados por crimes de guerra

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório