Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 24º

Desflorestação na Amazónia cresceu 56,6% no Governo de Bolsonaro

A desflorestação da Amazónia brasileira cresceu 56% durante o Governo liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro, informou uma nota técnica divulgada pela organização não-governamental Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazónia (Ipam).

Desflorestação na Amazónia cresceu 56,6% no Governo de Bolsonaro
Notícias ao Minuto

14:53 - 04/02/22 por Lusa

Mundo ONG

O Ipam frisou que a desflorestação no bioma foi 56,6% maior entre agosto de 2018 e julho de 2021 do que no mesmo período de 2016 a 2018. A medição de agosto de um ano a julho do ano seguinte respeita o período das chuvas e da seca na região já que os dados compilados para formular estudos foram capturados por satélites do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazónia Legal por Satélite (Prodes) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

De acordo com os dados brutos fornecidos pelo INPE, foram devastados 32.740 quilómetros quadrados (km2) de florestas na região amazónica do Brasil de 2019 até 2021, contra 20.911 km2 no triénio anterior referente ao período de 2016 até 2018.

"Estamos subindo degraus rápido demais quanto à destruição da Amazónia e não podemos nos acostumar com isso (...) Seguimos um caminho totalmente oposto às atitudes que o planeta precisa, com urgência, neste momento", afirmou Ane Alencar, diretora de Ciência no Ipam e principal autora da nota técnica.

Os aumentos consecutivos da destruição da floresta desde 2018 parecem determinar, segundo as autoras do levantamento, uma nova dinâmica de destruição facilitada pelo "enfraquecimento de órgãos de fiscalização e, portanto, pela falta de punição a crimes ambientais, bem como pela redução significativa de ações imediatas de combate e controlo e pelos retrocessos legislativos."

De acordo com o texto, mais de metade (51%) da desflorestação na maior floresta tropical do planeta no Brasil ocorreu em terras públicas, principalmente (83%) em áreas de domínio federal.

"Em termos absolutos, florestas públicas não destinadas foram as mais atingidas: tiveram alta de 85% na área desflorestada, passando de 1.743 km2 derrubados anualmente para mais de 3.228 km2. No último ano, essa categoria de floresta pública concentrou um terço de todo o desflorestamento no bioma", destacou o Ipam.

"Proporcionalmente à área dos territórios, terras indígenas tiveram alta de 153% em média no desflorestamento comparado do último triénio (1.255 km2) para o anterior (496 km2). Já o desflorestamento em unidades de conservação teve aumento proporcional de 63,7%, com 3.595 km2 derrubados no último triénio contra 2.195 km2 nos três anos anteriores", completou.

O estudo alertou ainda que a tendência é que a destruição da floresta amazónica no Brasil cresça ainda mais caso sejam aprovados projetos de lei que estão em discussão no Congresso e que defendem a regularização de áreas desflorestadas ilegalmente e atividade de exploração mineral em terras indígenas.

Leia Também: Brasil regista desflorestação recorde na Amazónia em janeiro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório