Meteorologia

  • 21 MAIO 2022
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 25º

Carta do Ocidente à Rússia tem proposta dos EUA sobre armas nucleares

A carta que os Estados Unidos e aliados enviaram à Rússia, no contexto da crise na Ucrânia, inclui uma proposta dos norte-americanos para um "acordo de acompanhamento" da aplicação do novo tratado de controlo de armas nucleares START.

Carta do Ocidente à Rússia tem proposta dos EUA sobre armas nucleares
Notícias ao Minuto

21:30 - 28/01/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

Esta informação foi revelada hoje, em conferência de imprensa, pelo embaixador dos Estados Unidos na Rússia, John Sullivan, que na quarta-feira entregou ao Ministério dos Negócios Estrangeiros russo a resposta de Washington e aliados às exigências de garantias de segurança de Moscovo, face às tensões na fronteira ucraniana.

O diplomata explicou que a carta propõe "medidas de transparência" sobre armamento e exercícios militares na Europa, bem como possíveis "medidas de controlo" sobre o uso de mísseis.

Além destas propostas, é ainda referido o "interesse" dos norte-americanos em abordar com a Rússia "um acordo de acompanhamento do START", que limita o número de armas nucleares estratégicas a um máximo de 1.550 ogivas nucleares e 700 sistemas balísticos para cada uma das potências, seja por terra, mar ou ar.

Há apenas um ano, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o homólogo russo, Vladimir Putin, estenderam este Tratado Estratégico de Redução de Armas (START) por cinco anos.

"Acreditamos que estas ideias têm potencial para melhorar a nossa segurança e a dos nossos aliados e parceiros, mas também atendem às preocupações expressas pela Rússia", referiu o embaixador.

No entanto, o Presidente russo destacou na sexta-feira, durante uma conversa telefónica com o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, que nem os Estados Unidos, nem a NATO, responderam às suas "principais preocupações" de segurança.

A Rússia exigiu que a Aliança Atlântica interrompesse a sua expansão para a Europa Oriental, em particular para a Ucrânia e Geórgia, a cessação de toda a cooperação militar ocidental com as antigas repúblicas soviéticas e a retirada das tropas e armamento dos aliados para as posições anteriores a 1997.

John Sullivan acrescentou hoje que a carta não contém "muitas surpresas" porque estabelece "princípios fundamentais" para os aliados, como a defesa da soberania e integridade territorial da Ucrânia, bem como o seu "direito" de escolher as alianças de segurança que considerar melhores.

O norte-americano assegurou ainda que o conteúdo da comunicação foi "totalmente coordenado" com os restantes membros da NATO, outros países europeus e o governo ucraniano.

O Ocidente acusa há semanas a Rússia de ter concentrado mais de 100.000 soldados junto à fronteira com a Ucrânia, com vista a uma eventual invasão daquela ex-república soviética, ameaçando Moscovo com sanções sem precedentes em caso de uma ofensiva.

A Rússia tem negado a intenção de invadir o país vizinho, mas disse sentir-se ameaçada pela expansão de 20 anos da NATO ao Leste europeu e pelo apoio ocidental à Ucrânia.

Leia Também: Ucrânia. Conflito com Rússia "não é inelutável", dizem EUA

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório