Meteorologia

  • 30 JUNHO 2022
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 24º

Covid-19: China deteta 64 novos casos nas últimas 24 horas

A Comissão Nacional de Saúde da China anunciou hoje a deteção de 64 novas infeções por SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, 39 das quais por contágio local.

Covid-19: China deteta 64 novos casos nas últimas 24 horas

A China mantém uma política de "zero casos", que envolve a imposição de restrições nas entradas no país, com quarentenas de até três semanas, e testes em massa e medidas de confinamento seletivas quando um surto é detetado.

Os casos locais anunciados hoje foram diagnosticados nos municípios de Pequim (oito) e Tianjin (quatro), e nas províncias de Zhejiang (16), Heilongjiang (nove), Guizhou (um) e na região de Xinjiang (um).

Entre os 25 casos "importados", sete foram diagnosticados no município de Xangai, uma das principais portas de entrada na China. O país mantém as fronteiras encerradas desde março de 2020.

As autoridades de saúde também informaram hoje sobre a deteção de 54 casos de pessoas assintomáticas, entre os quais 12 locais e os restantes "importados", embora Pequim não os contabilize como casos confirmados, a menos que manifestem sintomas.

O número total de pacientes ativos na China continental é de 2.268, entre os quais nove em estado grave.

Desde o início da pandemia, 105.875 pessoas foram infetadas no país e 4.636 morreram.

A covid-19 provocou 5.625.889 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.744 pessoas e foram contabilizados 2.443.524 casos de infeção, segundo a mais recente atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Leia Também: AO MINUTO: Covid custou 7 mil milhões em 2021; Unicef quer abrir escolas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório