Meteorologia

  • 29 MAIO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 22º

França aprova resolução denunciando "genocídio" de uigures na China

A Assembleia Nacional da França aprovou hoje, poucos dias antes da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, uma resolução denunciando o "genocídio" dos uigures pela China e pedindo ao Governo francês que faça o mesmo.

França aprova resolução denunciando "genocídio" de uigures na China
Notícias ao Minuto

13:21 - 20/01/22 por Lusa

Mundo França

O texto - sem caráter vinculativo e defendido pelo primeiro-secretário do Partido Socialista, Olivier Faure, - recebeu o apoio dos deputados do partido presidencial, República em Marcha, e foi aprovado quase por unanimidade (169 votos a favor, um contra e cinco abstenções).

A proposta afirma que a Assembleia "reconhece oficialmente a violência perpetrada pelas autoridades da República Popular da China contra os uigures como crimes contra a humanidade e como genocídio", condenação esses atos.

A Assembleia Nacional de França "convida o Governo francês" a fazer o mesmo e a adotar "as medidas necessárias junto da comunidade internacional e na sua política externa com a República Popular da China", para pôr fim a esta situação.

Em nome do Governo, o ministro do Comércio Externo, Franck Riester, falou em "violência sistemática" e em "testemunhos avassaladores", mas argumentou que a qualificação formal de "genocídio" cabe aos órgãos internacionais e não às autoridades francesas.

Riester assegurou que o destino da comunidade uigur foi "colocado ao mais alto nível", durante conversas com autoridades chinesas, e lembrou que foi mesmo mencionado, na quarta-feira, no discurso do Presidente francês, Emmanuel Macron, perante o Parlamento Europeu.

Na Assembleia, Faure denunciou "a máquina implacável que visa a erradicação cultural e biológica de um povo" e também criticou as grandes empresas ocidentais "que continuam a usar o trabalho forçado" desta comunidade muçulmana de língua turca na província chinesa de Xinjiang.

Organizações de direitos humanos têm acusado a China de terem detido mais de um milhão de muçulmanos em campos de reeducação política, sob pretexto de estarem por detrás de ataques terroristas atribuídos a islâmicos radicais.

Pequim alega que os campos são centros de treino vocacional para combater a radicalização religiosa.

Leia Também: França vai abater 2,5 milhões de animais para conter gripe das aves

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório