Meteorologia

  • 20 MAIO 2022
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 34º

Uganda suspende testes obrigatórios à Covid-19 na fronteira com o Quénia

O Governo do Uganda anunciou hoje a suspensão da obrigatoriedade de testes à entrada do país, na fronteira com o Quénia, para ultrapassar as enormes filas de camiões que aguardavam pelos resultados dos testes à covid-19.

Uganda suspende testes obrigatórios à Covid-19 na fronteira com o Quénia
Notícias ao Minuto

13:45 - 18/01/22 por Lusa

Mundo Covid-19

"O Ministério da Saúde suspendeu imediata e temporariamente os testes obrigatórios nos dois postos fronteiriços para facilitar a circulação de camiões à entrada e saída do país", disse um responsável governamental, citado pela agência francesa de notícias, France-Presse (AFP).

A medida surge depois de um enorme engarrafamento provocado pela obrigatoriedade dos testes à covid-19 à entrada no país, que resultou em filas de 10 dias para os camionistas e num aumento significativo dos preços dos combustíveis na capital, Kampala.

"Desde esta manhã vimos muitos camiões a sair dos pontos fronteiriços e a dirigirem-se para o Uganda com as suas mercadorias, por isso espero ver os preços dos combustíveis descer nas próximas 24 horas", disse Juma Sentongo, membro do sindicato dos camionistas de longo curso do Uganda, à AFP.

"O congestionamento nas fronteiras está a abrandar lentamente, mas o tráfego pesado levará mais tempo do que o esperado porque o desalfandegamento e os testes à covid-19 também têm sido problemáticos", acrescentou Alex Mwerinde, um motorista de 41 anos.

Nas últimas duas semanas, o Uganda obrigou os motoristas dos camiões de petróleo provenientes do Quénia a fazerem testes à entrada no país, o que estava a criar uma fila de 10 dias devido à demora no processamento dos testes, confirmou o Ministério da Energia numa declaração citada pela agência de informação financeira Bloomberg.

Até ao princípio do ano, o Uganda aceitava o resultado dos testes que eram feitos noutro país, mas a mudança da lei, resultante do receio dos contágios da variante Ómicron, originou não só uma enorme fila de camiões carregados de combustível, mas também uma subida dos preços, principalmente na capital deste país africano sem ligação ao mar.

Em Kampala, os preços da gasolina subiram de 4,4 xelins (1,09 euros) para 6,6 xelins (1,6 euros), uma subida atribuída a especuladores que estão a comprar os combustíveis antes de chegarem à capital e que depois os revendem mais caros.

O preço do barril do petróleo Brent, para entrega em março, atingiu o máximo dos últimos sete anos, abrindo em alta no mercado de futuros de Londres, a valer 87,82 dólares.

O preço do petróleo do Mar do Norte, referência na Europa, subiu hoje 1,50% face ao fecho do dia anterior a valer 86,52 dólares.

O petróleo está em alta há vários dias, apesar de se conhecer a intenção dos EUA e outros Estados de recorrerem às reservas de petróleo, precisamente para procurar conter o aumento dos preços.

A subida dos preços do petróleo é uma boa notícia para os países africanos produtores de petróleo, como a Nigéria ou Angola, os dois maiores produtores na África subsaariana, já que ambos os países têm as finanças pressionadas pela crise económica resultante da pandemia de covid-19.

A covid-19 já provocou 5.537.051 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência francesa de notícias AFP.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

O Uganda registou 158.676 casos de covid-19, incluindo 3.424 mortes, de acordo com os últimos dados governamentais de 15 de Janeiro.

Leia Também: Abu Dhabi exige dose de reforço contra a Covid-19 para entrar no emirado

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório