Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Etiópia: Governo britânico urge nacionais a saírem "imediatamente" 

O governo britânico aconselhou hoje os seus nacionais a saírem "imediatamente" da Etiópia devido à deterioração do conflito naquele país africano, que poderá afetar as ligações aéreas no aeroporto da capital Addis Abeba. 

Etiópia: Governo britânico urge nacionais a saírem "imediatamente" 
Notícias ao Minuto

15:20 - 24/11/21 por Lusa

Mundo Etiópia

"O conflito na Etiópia está a deteriorar-se rapidamente. Nos próximos dias, podemos ver os combates a aproximar-se de Addis Abeba, o que pode limitar fortemente as opções para os cidadãos britânicos deixarem a Etiópia", afirmou a secretária de Estado para África, Vicky Ford, num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) britânico.

A governante urgiu "todos os cidadãos britânicos - em qualquer situação - que partam imediatamente, enquanto os voos comerciais estão disponíveis e o Aeroporto Internacional de Addis Ababa Bole permanece aberto".

Para facilitar as viagens, o Governo britânico disponibilizou empréstimos sem juros para ajudar a regressarem ao Reino Unido os cidadãos britânicos sem meios financeiros e suspendeu temporariamente a exigência de um teste pré-embarque aos não vacinados contra a covid-19. 

"Aqueles que optarem por não sair agora devem preparar-se para se abrigar num local seguro nas próximas semanas. Não podemos garantir que haverá opções para deixar a Etiópia no futuro", acrescentou.

O MNE britânico já tinha aconselhado em 09 de novembro os cidadãos britânicos a deixarem o país devido ao agravamento do conflito.

Na terça-feira, a França já havia tomado a mesma decisão e a ONU já ordenou a retirada dos de familiares dos funcionários da organização no país. 

A guerra eclodiu em 04 de novembro de 2020, quando Abiy ordenou uma ofensiva contra a TPLF, em retaliação a um ataque a uma base militar federal e na sequência de uma escalada de tensões políticas.

Até agora, segundo as Nações Unidas, milhares de pessoas foram mortas e registam-se cerca de dois milhões de deslocados em Tigray, cujos rebeldes expandiram o conflito para as regiões vizinhas de Amhara e Afar.

A TPLF, que antes de Abiy chegar ao poder em 2018 dominou o Governo etíope, formou também uma aliança com outros grupos insurgentes, tais como o Exército de Libertação Oromo (OLA), ativo na região de Oromia, no redor de Adis Abeba.

O balanço do conflito ascende a milhares de mortos, a dois milhões de pessoas deslocadas internamente e, pelo menos, 75.000 refugiados no vizinho Sudão, de acordo com números oficiais.

Leia Também: Etiópia: ONU alerta para a necessidade de ajuda a 8,1 milhões de pessoas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório