Meteorologia

  • 03 JULHO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 30º

Países prometem mais descarbonização em cimeira preparatória de Glasgow

A reunião preparatória para a cimeira do clima de novembro em Glasgow (Reino Unido), que decorreu em Milão, terminou com compromissos de mais contribuição para a descarbonização e impedir que o aquecimento global suba além dos 1,5 graus.

Países prometem mais descarbonização em cimeira preparatória de Glasgow

No final da reunião de hoje de preparação para a cimeira de Glasgow, a chamada COP26, foi também revelado, em conferência de imprensa, que o Egito irá acolher a COP27.

Entre os 50 ministros do Ambiente presentes na reunião de Milão, Itália, chegou-se "a um consenso de que é preciso fazer mais para manter o aquecimento abaixo dos 1,5 graus", foi dito na conferência de imprensa.

Todos os países disseram que querem que a COP26 seja "um sucesso e todos reiteraram o seu desejo de descarbonizar: os países industrializados até 2030, os restantes até 2040, e inclusivamente a China disse que quer alcançar a neutralidade climática em 2060, e o Brasil em 2050", disse o presidente da COP26 de Glasgow, Alok Sharma, na conferência de imprensa.

O responsável salientou que ainda há "muito trabalho" a fazer antes da conferência de Glasgow, que deverá ser um "momento chave" para estabelecer ambições para a próxima década.

E acrescentou: "A ciência diz-nos que se pode conseguir uma redução de 45% das emissões até 2030, mas mesmo se só se tiver em conta os 70 países que se apresentaram, pode chegar-se até pelo menos 26%. Muitos países já estão a reduzir a curva de emissões".

Roberto Cingolani, o ministro italiano para a Transição Ecológica, que participou na conferência de imprensa, garantiu que na reunião de preparação para a COP-26 "houve uma declaração muito clara de que será impossível investir em atividades relacionadas com os combustíveis fósseis" e que se tentará desencorajar qualquer investimento na investigação e extração de combustíveis fósseis.

"Contudo, é impossível chegar imediatamente ao investimento zero, porque a transição implica que durante um período de tempo haverá coexistência entre renováveis e fósseis. Mas o caminho é claro", disse.

Intervindo na cimeira de hoje, o enviado dos Estados Unidos para as alterações climáticas, John Kerry, explicou que ficar abaixo de um aumento de temperatura 02 graus não significa ficar em 1,9 ou 1,7 graus, e enfatizou que terá de ser pelo menos em 1,5 graus. É "um objetivo que podemos alcançar porque é o que a ciência nos pede".

John Kerry disse estar confiante nos resultados de Glasgow. "Faremos enormes progressos, os objetivos do Acordo de Paris devem ser absolutamente alancados e cada país deve fazer todos os possíveis".

O responsável disse também que está confiante num acordo climático com a China.

Sobre a posição da China, o país que produz mais emissões de gases com efeito de estufa, tanto Roberto Cingolani como Alok Sharma asseguraram que oGgoverno chinês "está consciente da gravidade da crise climática e quer que na COP26 se aumentem os compromissos globais de descarbonização".

Para o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmerman, as alterações climáticas representam "a maior ameaça à humanidade" e, portanto, é necessário "mudar radicalmente e rapidamente".

E acrescentou: precisamos de mitigar o aumento das temperaturas e todos os países devem apresentar o seu próprio plano para reduzir as emissões de dióxido de carbono no COP-26 em Glasgow.

Na reunião de hoje também foi confirmada a manutenção do compromisso de apoio de 100 mil milhões de dólares aos países mais pobres.

O Acordo de Paris de 2015, assinado pela quase totalidade dos países do mundo, visa limitar o aquecimento global abaixo dos 02 graus celsius (2°C) e se possível a 1,5°C. No entanto vários países estão relutantes em reconhecer o objetivo dos 1,5°C, como a Arábia Saudita ou a Rússia, ambos presentes na reunião de Milão.

Segundo a última estimativa da ONU, os atuais compromissos mundiais conduzem o mundo a um aquecimento "catastrófico" de 2,7°C.

Até agora a temperatura já subiu cerca de 1,1°C em relação à época pré-industrial e o mundo está a ser atingido por catástrofes cada vez mais intensas e frequentes, como cheias e ondas de calor e incêndios devastadores.

A COP26 esteve agendada para o ano passado mas foi adiada devido à pandemia de covid-19.

Leia Também: Jovens ativistas marcham no centro de Milão por ação climática urgente

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório