Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
22º
MIN 16º MÁX 28º

Edição

Ébola: Investigação identifica 80 alegados crimes sexuais na RD Congo

Uma investigação solicitada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou mais de 80 alegados casos de abuso sexual durante a resposta da agência da ONU a um surto de Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo), implicando 20 funcionários.

Ébola: Investigação identifica 80 alegados crimes sexuais na RD Congo
Notícias ao Minuto

17:35 - 28/09/21 por Lusa

Mundo RD Congo

As conclusões da comissão foram hoje divulgadas, meses após uma investigação da agência Associated Press (AP) ter noticiado que a direção da OMS tinha sido informada de múltiplas alegações de abuso em 2019.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, criou a comissão em outubro, após terem surgido notícias sobre abusos sexuais, durante os esforços da OMS para conter a epidemia de Ébola na RDCongo, de 2018 a 2020. Na altura, o diretor-geral disse que estava "indignado" e que iria agir rapidamente para punir os responsáveis.

Fontes diplomáticas citadas pela agência noticiosa norte-americana afirmaram que quatro pessoas foram despedidas e duas foram suspensas, baseando-se num 'briefing' à porta fechada distribuído a funcionários diplomáticos em Genebra.

A comissão obteve a identidade de 83 alegados perpetradores, congoleses e estrangeiros, tendo, em 21 casos, estabelecido com certeza que os alegados perpetradores eram funcionários da OMS durante a resposta ao Ébola.

A maioria dos alegados perpetradores, de acordo com as conclusões, eram funcionários congoleses contratados de forma temporária que tiraram partido da sua aparente autoridade para obterem favores sexuais.

Em maio, a AP publicou provas de que o médico Michel Yao, um alto funcionário da OMS que supervisionou a resposta ao surto na RDCongo, foi informado de múltiplas alegações de abuso sexual. O médico foi mais tarde promovido e liderou a resposta da OMS ao surto de Ébola na Guiné-Conacri, que terminou em junho.

Também o médico da OMS Jean-Paul Ngandu e outros dois funcionários da agência da ONU assinaram um contrato em que prometiam a compra de terras para uma jovem que Ngandu teria, alegadamente, engravidado. Ngandu disse que tinha sido pressionado a fazê-lo para proteger a reputação da OMS.

Outro médico, Boubacar Diallo, gabou-se da sua relação com o chefe Tedros, da OMS, e ofereceu às mulheres empregos em troca de sexo, disseram três mulheres à AP.

Nas conclusões, a comissão destacou também a entrevista com o líder da OMS, que disse ter sido informado das alegações de abuso apenas após a sua publicação na comunicação social e que desconhecia o caso de Ngandu.

O painel criticou a tendência da OMS para "rejeitar todas as denúncias de exploração e abusos sexual, a menos que sejam feitas por escrito".

Cerca de 50 países, entre os quais Reino Unido, Estados Unidos da América, Canadá e Países Baixos, emitiram, mais tarde, uma declaração em que expressaram a sua "profunda preocupação" sobre a forma como a OMS tem lidado com o abuso sexual.

Em maio, a OMS reconheceu que a sua resposta às suspeitas de abusos sexuais envolvendo funcionários na RDCongo foi "lenta".

Alguns funcionários da OMS mostraram-se insatisfeitos com a forma como a agência lidou com as reclamações.

"Não podemos dar-nos ao luxo de ignorar os sinais de fracasso sistemático e repetido da nossa organização para evitar tais alegados comportamentos e para os abordar de forma justa e atempada", escreveu o comité de pessoal da OMS num 'email' ao pessoal e aos quadros superiores, no mesmo mês.

A décima epidemia de Ébola, a segunda mais mortífera de sempre e que atingiu o país entre agosto de 2018 e junho de 2020, provocou 2.287 mortes em 3.470 casos oficiais.

O vírus Ébola, que provoca febres altas, vómitos e diarreias, foi identificado pela primeira vez em 1976 na RDCongo e deve o seu nome a um rio no norte do país, perto do qual teve origem o primeiro surto.

O Ébola é transmitido entre humanos através de fluidos corporais como sangue ou fezes e tem uma taxa de letalidade muito elevada, que varia entre 50% e 90%, de acordo com a OMS.

Leia Também: Pelo menos quatro mortos na RD Congo em ataque atribuído a grupo rebelde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório