Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Líbano: Parlamento dá 'luz verde' ao novo executivo de Najib Mikati

O Parlamento libanês, reunido em sessão plenária, deu hoje o aval ao novo Governo chefiado por Najib Mikati, cuja principal missão será impedir o colapso de um país na pior crise económica da sua história.

Líbano: Parlamento dá 'luz verde' ao novo executivo de Najib Mikati
Notícias ao Minuto

20:21 - 20/09/21 por Lusa

Mundo Najib Mikati

Depois de examinar o plano de ação do Governo, numa sessão "maratona" de oito horas, 85 deputados votaram a favor do novo executivo, tendo 15 votado contra, segundo a contagem feita pelo presidente do Parlamento libanês, Nabih Berri.

Os 24 membros do Governo de Mikati, personalidade que tem uma das maiores fortunas do país, foi formado este mês, após um vazio político de 13 meses, uma vez que o país estava sem um executivo desde a renúncia de Hassan Diab na sequência da explosão devastadora no porto de Beirute, a 04 de agosto de 2020. 

O atraso agravou a crise económica, qualificada pelo Banco Mundial (BM) como uma das piores do mundo desde 1850. 

A reunião parlamentar em que Mikati apresentou o programa de Governo antes da votação foi atrasada cerca de uma hora devido a um corte de energia.

Vários vídeos circularam nas redes sociais a mostrar os deputados reunidos num pátio do lado de fora do parlamento a aguardar pelo regresso da luz elétrica.

"É confrangedor. [...] Isto não é um país", desabafou o deputado Teymour Joumblatt perante um jornalista.

Assim que a eletricidade regressou, o presidente do Parlamento incitou Mikati a começar rapidamente o discurso com receio de novo corte de energia.

Nos últimos meses, os cortes de energia atingiram até 22 horas por dia nalgumas zonas de Beirute, obrigando os proprietários de geradores a racionar a utilização devido à escassez de combustível.

Grande parte da população acusa a classe política de "corrupção" e de "incompetência", considerando ser essa a origem do colapso financeiro do país. 

As autoridades são, na sua maioria, acusadas de clientelismo e de desvio de fundos no setor elétrico, que custou ao Estado mais de 40 mil milhões de dólares (mais de 34 mil milhões de euros) desde o fim da guerra civil, em 1990. 

Entre os inúmeros desafios, o novo Governo terá de chegar rapidamente a um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), passo essencial para uma saída da crise. 

No discurso no Parlamento, Mikati comprometeu-se a retomar as negociações com a instituição e a "desenvolver um plano para reanimar a economia". 

O novo gabinete terá também de preparar o terreno para as eleições legislativas, marcadas para maio de 2022.

Leia Também: Apreendidas 20 toneladas da substância que causou explosão em Beirute

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório