Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2021
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Toda a oposição húngara congregada no esforço de tirar poder a Orbán

Socialistas, ambientalistas, liberais e mesmo a extrema-direita, toda a oposição húngara inicia hoje o processo de conceção de uma candidatura conjunta que poderá pôr fim aos 12 anos de poder do primeiro-ministro ultranacionalista, Viktor Orbán, nas eleições de 2022.

Toda a oposição húngara congregada no esforço de tirar poder a Orbán
Notícias ao Minuto

13:15 - 18/09/21 por Lusa

Mundo Hungria

Seis partidos comprometeram-se a aceitar os resultados de um processo primário que deverá determinar o candidato a primeiro-ministro, que irá liderar a lista unificada da oposição nacional, e os respetivos candidatos únicos para os 106 círculos eleitorais do país, até 10 de outubro.

Através da votação da lista nacional, 93 deputados serão eleitos nas eleições do próximo ano para compor o Parlamento de Budapeste, com 199 lugares.

Esta fórmula de uma lista conjunta já funcionava em 2019, quando a oposição lutou contra a prefeitura de Budapeste e outras cidades do partido conservador nacionalista Fidesz, de Orbán.

Para ter sucesso agora, a coligação de oposição enfrenta o desafio de mobilizar várias centenas de milhares de eleitores que, segundo as sondagens, estão descontentes com Orbán, mas que normalmente não votam ou permanecem indecisos.

Para tal, os opositores devem convencê-los de que, apesar das fraturas ideológicas internas, serão capazes de formar e manter um governo, caso ganhem as eleições.

Pela primeira vez em 12 anos, tal vitória é uma possibilidade real, com as últimas sondagens a dar 39% ao bloco da oposição, em comparação com os 34% para o Fidesz.

Com esse resultado, o partido de Orbán perderia 15 pontos, em comparação com as eleições de 2018, nas quais obteve a sua terceira maioria absoluta consecutiva, obtendo 133 dos 199 lugares.

Seis partidos participam nestas primárias: o Partido Socialista (MSZP), o Párbesz (Diálogo), a Coligação Democrática (centro-esquerda), o Momentum liberal, o LMP ambientalista, bem como o Jobbik de direita, cuja inclusão tem sido a mais controversa.

Este partido, que surgiu em 2003, descreveu os judeus húngaros como um "risco de segurança nacional", questionou o holocausto, lançou campanhas agressivas anti-homossexuais e teve mesmo uma ala paramilitar de aspeto fascista, a chamada "Guarda Húngara", que organizou marchas de archotes para intimidar a comunidade cigana do país.

Esse discurso radical começou a moderar em 2018, quando a ala mais ultra direita do partido deixou o partido para fundar um grupo inspirado no neonazi Golden Dawn da Grécia.

"Hoje, uma grande maioria dos eleitores da oposição já aceitou Jobbik. Já não é o partido que era", explica Róbert László, um analista do Instituto da Capital Política em Budapeste.

De facto, o perito acredita que Jobbik pode atrair muito apoio dos eleitores tradicionais de direita para o bloco da oposição.

Para mobilizar os cerca de 500.000 eleitores indecisos, a oposição elaborou um programa que inclui medidas anticorrupção, liberdade de imprensa, inclusão social, normalização das relações entre a Igreja e o Estado, mas também reformas na saúde, educação e na constituição.

Dois anos após ter varrido as eleições de 2010, Orbán utilizou a sua maioria de dois terços para alterar a Carta Magna, sem debate público ou consenso político, criando um texto que já lançou as bases para o conceito de "estado iliberal".

Também modificou o sistema eleitoral, o sistema judicial, o controlo dos meios de comunicação e até o mecanismo de aprovação do orçamento geral, colocando os seus apoiantes em instituições essenciais quase perpetuamente, e eles continuarão a ter muito poder mesmo que o Fidesz tenha de deixar o poder.

Muitas destas leis só podem ser alteradas com dois terços de maiorias, o que é pouco provável que o bloco da oposição obtenha.

Entre os cinco candidatos mais prováveis a primeiro-ministro encontram-se Gergely Karácsony (Párbeszéd), o atual Presidente da Câmara de Budapeste, e Klára Dobrev, da Coligação Democrática.

Perante a ameaça eleitoral colocada pelo bloco da oposição, a propaganda governamental já começou uma campanha com duas vertentes, por um lado apresentando as primárias como irrelevantes, e por outro desacreditando Karácsony.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório