Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 4º MÁX 14º

Edição

Poucas vítimas de violência doméstica em Marrocos apresentam queixa

Poucas mulheres vítimas de violência doméstica em Marrocos queixam-se junto dos tribunais, sendo 2% por violência sexual e 7% por agressão física, de acordo com um estudo oficial hoje divulgado.

Poucas vítimas de violência doméstica em Marrocos apresentam queixa
Notícias ao Minuto

15:47 - 26/11/20 por Lusa

Mundo Estudo

Nos casos de violência no espaço público, 22% das vítimas registam queixas quando se trata de agressão física e 3,5% quando a agressão é sexual, de acordo com o estudo divulgado pelo Alto Comissariado para o Planeamento, com apoio do departamento de apoio às mulheres da ONU.

Apenas 3,5% das vítimas de violência sexual doméstica saem de casa, 16% quando se trata de violência física, e menos de uma em cada dez (8%) rompe com os seus compromissos familiares, independentemente da tipologia da agressão sofrida, de acordo com o mesmo estudo.

As marcas da violência física dos cônjuges vão desde arranhões e hematomas (em 52,2% dos casos), até fraturas, incisões profundas, fraturas ou quebras de dentes e os casos de violência sexual provocam "lesões e lacerações ao nível dos órgãos genitais" em mais de 13% dos casos, provocando gravidezes indesejadas em 3,5% dos casos.

O estudo revela ainda que menos de metade das vítimas dos atos mais violentos procuram um profissional de saúde.

Para as mulheres trabalhadoras, a violência - sofrida ou não no contexto conjugal - tem resultado numa perda média de 14 dias de trabalho por ano.

Cerca de 40% das mulheres vítimas de violência no âmbito profissional tiveram de mudar de emprego e 7% abandonaram o mercado de trabalho, sublinha o estudo.

Mais de uma em cada duas mulheres foi vítima de alguma forma de violência em Marrocos, em 2019, segundo estatísticas oficiais.

O estudo foi realizado entre fevereiro e julho de 2019, antes da pandemia de covid-19, junto de uma amostra da população de 15 a 74 anos de idade.

Nos últimos meses, diversas organizações de mulheres expressaram preocupação com o aumento da violência doméstica durante os longos meses de confinamento por causa da crise sanitária.

Marrocos adotou uma lei em 2018 sobre a violência contra as mulheres, tornando pela primeira vez passível de pena de prisão os atos "considerados formas de assédio ou maus tratos".

Leia Também: MAI remete acordo de migração legal com Marrocos para presidência da UE

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório