Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2020
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Acusada de silêncio, Turquia condena assassínio 'jihadista' em França

A Turquia condenou hoje "o assassínio monstruoso" do professor Samuel Paty, decapitado num ataque 'jihadista' nos arredores de Paris por ter mostrado caricaturas de Maomé numa aula sobre liberdade de expressão.

Acusada de silêncio, Turquia condena assassínio 'jihadista' em França
Notícias ao Minuto

14:53 - 26/10/20 por Lusa

Mundo Turquia

Depois de ter sido criticada pelo seu silêncio relativamente ao assassínio de Paty, o professor francês decapitado nos arredores de Paris, a Presidência turca condenou hoje o ataque 'jihadista' em França, apesar das críticas do Presidente Erdogan ao Governo francês sobre a forma como tem tratado os muçulmanos na Europa.

"Condenamos veementemente o assassínio monstruoso de Samuel Paty e rejeitamos o ato de barbárie. Não há nada de legítimo nesse assassínio", escreveu o porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, na conta da rede social Twitter, referindo-se ao caso do professor francês.

Contudo, Kalin explicou que, muitas vezes, o que é considerado "fanatismo" é apenas o amor pelo profeta Maomé.

"Alguns não entendem que amamos o profeta mais do que a nossa alma. Não conseguem entender que consideramos um insulto ao profeta com a nós mesmos. Chamam a isto 'fanatismo'", acrescentou o porta-voz da presidência turca, no Twitter.

Numa comunicação televisiva, hoje, Erdogan fez um apelo aos cidadãos de seu país para que não comprem produtos franceses, como retaliação pelas medidas tomadas em França contra grupos islâmicos.

Durante o fim de semana, Erdogan já tinha questionado por várias vezes a sanidade mental do Presidente francês, Emmanuel Macron, denunciando as suas posições sobre os muçulmanos, na sequência do assassínio de Samuel Paty.

"Está a ser travada uma campanha de linchamento semelhante àquela que foi feita contra os judeus europeus antes da Segunda Guerra Mundial", disse Erdogan, repetindo o apelo ao boicote dos produtos franceses, à semelhança do que está a acontecer em vários países árabes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório