Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

UE apela a libertação "imediata" de ativistas presos na China

O alto representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Josep Borrell, instou hoje a China a libertar "imediata e incondicionalmente" vários advogados e ativistas detidos há cinco anos na operação conhecida como "709".

UE apela a libertação "imediata" de ativistas presos na China
Notícias ao Minuto

14:57 - 08/07/20 por Lusa

Mundo UE

A UE espera que advogados e ativistas que foram detidos em 09 de julho de 2015, "por desempenharem o seu trabalho", sejam libertados "sem restrições aos seus movimentos ou trabalho", disse num comunicado um porta-voz de Borrell, especificando os casos de Yu Wensheng, Li Yuhan e Ge Jueping.

Borrell sublinhou que, na maioria dos processos resultantes destas detenções, os acusados não tiveram direito a uma defesa adequada e a um julgamento justo, havendo relatos "extensos e credíveis" de maus-tratos e tortura durante a sua detenção.

"A UE espera que a China garanta total respeito ao estado de direito, estabeleça garantias para julgamentos justos e investigue minuciosamente todos os casos relatados de detenções arbitrárias, maus-tratos e tortura de defensores dos direitos humanos e suas famílias", enfatizou Borrell no comunicado.

O alto representante da UE deixou claro que bloco europeu irá denunciar a "deterioração da situação dos direitos civis e políticos na China", assim como qualquer violação dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, "inclusive a nova lei de segurança nacional imposta em Hong Kong".

A UE tem denunciado que esta nova legislação mina a autonomia de Hong Kong e põe em risco o estado de direito e as liberdades dos seus habitantes.

Sob a presidência de Xi Jinping, que ascendeu ao poder em março de 2013, as autoridades chinesas reprimiram alguns dos mais proeminentes advogados chineses de direitos humanos no país.

Em 2015, a China sofreu uma das maiores ondas de repressão contra advogados de direitos humanos, quando centenas foram detidos ou interrogados, muitos dos quais relataram terem sido torturados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório