Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Doze civis, incluindo sete crianças, mortos em ataques russos na Síria

Pelo menos 12 civis, incluindo sete crianças, foram mortos hoje no noroeste da Síria em ataques aéreos russos, aliados do regime de Bashar al-Assad, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Doze civis, incluindo sete crianças, mortos em ataques russos na Síria
Notícias ao Minuto

13:11 - 21/01/20 por Lusa

Mundo OSDH

Entre as vítimas, 10 civis - oito dos quais da mesma família - foram mortos em ataques na zona oeste da província de Alepo, um setor ocupado por 'jihadistas' e rebeldes e adjacente à província de Idlib. As duas restantes morreram na região de Idlib, segundo o OSDH.

"Um dos ataques atingiu uma casa junto à aldeia de Kfar Taal, matando uma família, incluindo seis crianças", disse à agência France Presse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

A província de Idlib e certas zonas das regiões vizinhas de Alepo, Hama e Latakia são dominadas pelos 'jihadistas' do Hayat Tahrir al-Sham (HTS, ex-ramo sírio da Al-Qaida), embora também lá se encontrem grupos rebeldes.

"Nos últimos três dias, os bombardeamentos contra Idlib e arredores, nomeadamente o oeste de Alepo, são exclusivamente obra dos russos", adiantou Abdel Rahmane.

"Eles querem afastar os rebeldes e os 'jihadistas' da cidade de Alepo e da autoestrada que liga Alepo a Damasco", explicou.

Segundo o diretor do OSDH, os bombardeamentos podem ser a introdução a "uma operação militar" terrestre. "Nas últimas semanas, o regime concentrou reforças nos arredores da cidade de Alepo", disse.

Na segunda-feira, pelo menos sete civis, incluindo cinco crianças, morreram em bombardeamentos russos na província de Alepo, de acordo com o observatório.

A Rússia anunciou há mais de uma semana uma trégua e nega ter realizado ataques desde então.

O poder sírio controla mais de 70% do território e está determinado a reconquistar as zonas ainda dominadas por 'jihadistas' e rebeldes.

A guerra da Síria desencadeada em 2011 já causou mais de 380.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório