Meteorologia

  • 29 JANEIRO 2020
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 16º

Edição

Parlamento Europeu vê Pacto Ecológico como primeiro passo

Os grupos políticos do Parlamento Europeu (PE) reagiram na generalidade ao Pacto Ecológico hoje divulgado encarando-o como um primeiro passo na luta contra alterações climáticas, com os ecologistas e a esquerda a considerá-lo pouco ambicioso.

Parlamento Europeu vê Pacto Ecológico como primeiro passo
Notícias ao Minuto

19:12 - 11/12/19 por Lusa

Mundo Pacto Ecológico

Duas semanas depois de o PE ter declarado a emergência climática, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou hoje na assembleia europeia o Pacto Ecológico, explicando que ele visa "reconciliar a economia com o planeta" com base num "novo modelo de crescimento".

O plano, que inclui 50 medidas transversais a todos os setores, define como objetivos a neutralidade carbónica da União Europeia em 2050 e a redução para 50%, se possível 55%, dos gases com efeito estufa até 2030.

No debate que se seguiu em Bruxelas, Esther de Lange, eurodeputada holandesa do maior grupo político do PE, o Partido Popular Europeu (PPE, centro-direita) defendeu que a política industrial e o pacto ecológico "devem andar de mãos dadas" e que aos países terceiros que não estiverem dispostos a esforços para combater as alterações climáticas "a UE deve reconsiderar o livre acesso ao mercado europeu".

A eurodeputada afirmou que a mudança não se consegue com "proibições, impostos e ordens", antes exige "juntar os melhores e os mais inteligentes, investigação sem precedentes, soluções inteligentes e indústrias limpas que criem empregos para os europeus".

A espanhola Iratxe García, líder da bancada dos Socialistas & Democratas (S&D, centro-esquerda), qualificou o pacto de "um novo modelo de crescimento para transformar a UE numa sociedade mais justa e mais próspera", que deve assentar num "pilar verde" de metas climáticas, "um pilar vermelho" de políticas sociais e um pilar financeiro com os meios suficientes para atingir os objetivos.

"Este Parlamento Europeu declarou a emergência climática. Para o S&D esse não é um 'slogan' vazio, é uma advertência que requer medidas urgentes e excecionais. O Pacto Ecológico mostra o caminho que a Europa e o resto do mundo precisam de percorrer para a sua transformação", disse.

Dacian Ciolos, eurodeputado romeno do grupo Renovar a Europa (RE, liberal), apelou para "converter este desafio numa oportunidade" e pediu que o pacto não "junte burocracia à burocracia", mas antes "mobilize a sociedade" e se traduza numa "nova dinâmica social".

O belga Philippe Lamberts, dos Verdes, qualificou o pacto de "catálogo de boas intenções" e questionou "quando se vai traduzir em ações concretas", defendendo que a meta de redução das emissões devia ser de 65% até 2030, e não "os insuficientes" 50% a 55% como prevê o pacto.

Pelo grupo Identidade e Democracia (ID, nacionalista), a italiana Silvia Sardone acusou a Comissão Europeia de querer "dar uma imagem que está na moda" e questionou se mediu "o impacto social e económico da neutralidade carbónica", pedindo "uma visão mais realista das coisas".

O polaco Ryszard Legutko, dos Conservadores e Reformistas Europeus (ECR, conservadores) pediu à Comissão para trabalhar com os Estados-membros, que vão discutir os objetivos de redução das emissões no Conselho Europeu de quinta e sexta-feira, rejeitando que os governos nacionais sejam "marginalizados em relação a algo tão fundamental".

Pela Esquerda Unitária Europeia (EUE/ENV, esquerda), a eurodeputada francesa Manon Aubry pediu um pacto alternativo com impostos sobre o carbono e o plástico e medidas vinculativas para reduzir as emissões 70%, por uma transição mais humana, social e ecológica.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório