Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 19º MÁX 27º

Divisões internas impedem Europa de definir política comum para a China

O antigo secretário de Estado português dos Assuntos Europeus Bruno Maçães considerou hoje que a Europa é "incapaz" de desenvolver uma política comum para a China, numa altura em que Pequim avança as suas ambições geoestratégicas.

Divisões internas impedem Europa de definir política comum para a China
Notícias ao Minuto

10:23 - 21/03/19 por Lusa

Mundo Ex-governante

quase impossível para a União Europeia (UE) ter uma política comum para a China", afirmou Maçães, durante a apresentação do seu livro "Belt and Road: A Chinese World Order" (Faixa e Rota: Uma Ordem Mundial Chinesa), em Pequim.

Lembrando que o sul da Europa se sente injustiçado por "regras parciais" da UE, o ex-secretário de Estado, atualmente consultor e a residir na capital chinesa, disse que é "muito tentador" para aqueles países usar a China para contrabalançar o poder da Alemanha.

"Não comprem essa ideia de que todos na Europa são europeus a pensar no continente: temos rivalidades históricas prontas a serem reabertas e revistas", apontou.

Bruno Maçães falava nas vésperas da realização de uma cimeira do Conselho Europeu, que visa rever a política para a China, cuja rápida modernização e ascensão no espaço internacional têm suscitado preocupações entre as potências ocidentais.

No espaço de uma década, enquanto as economias europeias estagnaram, a China construiu a maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo, mais de oitenta aeroportos e dezenas de cidades de raiz, alargando a classe média chinesa em centenas de milhões de pessoas.

Acompanhando este desenvolvimento, Pequim passou a assumir o desejo de aproximar o país do centro da governação dos assuntos globais, abdicando do "perfil discreto" na política externa chinesa, que vigorou durante décadas, e de competir nos setores de alto valor agregado.

Nas vésperas da cimeira desta semana, Bruxelas produziu um documento sem precedentes, que classifica a China como "rival económico" e "adversário sistémico", que "promove modelos alternativos de governação", e apelou a ações conjuntas para lidar com os desafios tecnológicos e económicos colocados pela China.

Mas, apesar dos protestos de vários parceiros europeus, o Presidente chinês, Xi Jinping, iniciou hoje um périplo pelo continente que deverá ser dominado pela adesão da Itália ao projeto 'Uma Faixa, Uma Rota', que materializa esta nova vocação internacionalista de Pequim.

Bancos e outras instituições da China estão a conceder enormes empréstimos para projetos lançados no âmbito daquele gigantesco plano de infraestruturas, que inclui a construção de portos, aeroportos, autoestradas e linhas ferroviárias ao longo do sudeste asiático, Ásia Central, África e Europa.

Portugal é, até à data, um dos poucos países da UE a apoiar formalmente o projeto. As autoridades portuguesas querem incluir uma rota atlântica no projeto chinês, o que permitiria ao porto de Sines ligar as rotas do Extremo Oriente ao oceano Atlântico, beneficiando do alargamento do canal do Panamá.

O objetivo é "redesenhar o mapa da economia mundial" de forma a "colocar a China no centro", repondo a "visão antiga do país sobre si mesmo, como nação universal", descreveu Maçães, classificando o projeto chinês como "muito ambicioso" e um desafio à ordem mundial definida pelo Ocidente.

O ex-secretário de Estado considerou ainda que aquela iniciativa é a resposta "certa" do país asiático para ultrapassar a "armadilha da renda média", reorganizando as cadeias de distribuição globais para competir no setor tecnológico e atingir um alto nível de desenvolvimento.

"Se queres focar na produção de alta tecnologia, precisas que outros países te forneçam componentes com baixo valor agregado ou produtos agrícolas (...) ou garantir a tua segurança energética", descreveu.

Maçães considerou que, através da concessão de crédito, a China passou a ter "muito poder" para guiar o processo de evolução de outros países na direção que lhe interessa.

"Se quiseres abrir uma fábrica no Paquistão que se adeque aos interesses da China, tens acesso a linhas de financiamento", explicou. "Mas se quiseres abrir uma fábrica que não se encaixa nas prioridades chinesas, o crédito está indisponível", notou.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório