Meteorologia

  • 26 MARçO 2019
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 21º

Edição

Viúva de militar quer que Rússia assuma que russos lutaram na Síria

Olga Markelova é professora primária e, há dois anos, garante que o marido Dmitry Markelov morreu numa missão clandestina da Rússia.

Viúva de militar quer que Rússia assuma que russos lutaram na Síria
Notícias ao Minuto

16:46 - 15/02/19 por Notícias Ao Minuto 

Mundo Kremlin

Durante muito tempo, a Rússia continuou a negar que tivesse colocado homens no terreno na Síria.

Nos anos mais recentes, o apoio do Kremlin foi essencial para que as forças do regime de Bashar al-Assad retomassem território. Mas a Rússia nunca assumiu oficialmente que teve militares no terreno.

Houve, no entanto, quem perdesse a vida ao serviço da Rússia. E há vozes que pedem ao Kremlin que assuma o envolvimento no conflito.

Olga Markelova é uma professora de escola primária que viu o antigo marido, Dmitry Markelov, morrer em combate, numa missão clandestina em território sírio há dois anos.

O marido foi para lá como militar contratado, à margem das forças armadas russas. No entanto, o Kremlin não deixou de ter conhecimento e de participar na coordernação de missões no terreno.

Citada pela Reuters é clara: "Não tem sentido continuar a esconder que estiveram na Síria em missões de combate". A transparência, realça, seria importante para garantir até sustento financeiro, dado que o marido morreu em combate.

Oficialmente, porém, o Kremlin admite que houve russos a lutar, mas que o fizeram por livre iniciativa, e não envolvidos em operações das autoridades russas. 

Aos 35 anos de idade, e com uma filha de nove anos por criar, Olga foi das poucas familiares de russos caídos em combate na Síria que assumiu a perda... e que quer que o Kremlin o faça igualmente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório