Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
MIN 8º MÁX 11º

Edição

ANIMAIS NO CIRCO: "Não é tão divertido quanto possa parecer"

Parceria com a Sociedade Protectora dos Animais

Duas coisas divertidas combinadas nem sempre são a receita do sucesso, e animais e entretenimento são um grande exemplo disso.

ANIMAIS NO CIRCO: "Não é tão divertido quanto possa parecer"
Notícias ao Minuto

12:15 - 19/11/18 por Notícias Ao Minuto 

Mundo SP-Animais

"Enquanto veterinários e especialistas em comportamento animal em todo o mundo têm expressado a sua preocupação sobre o bem-estar dos animais em circos, muitas pessoas ainda consideram normal a ideia de animais serem usados para entretenimento, algo tradicional. Mas algumas tradições merecem um olhar crítico.

A associação de bem-estar animal PETA reporta que há muitos fatores que comprometem o bem-estar dos animais nestas situações. A maioria dos animais é criada em cativeiro e nunca conhecerá a liberdade. Vivem em espaço limitado, são treinados por humanos e forçados a atuar. Forçados, porque a força tem de ser usada para fazer com que os animais adotem tal comportamento antinatural. Leões e elefantes aprendem comandos de ordem porque têm medo de serem espancados; treinadores de elefantes usam ganchos afiados nas partes sensíveis do corpo para levá-los a realizar truques desconfortáveis.

Entre os espetáculos, os animais são frequentemente mantidos em pequenas jaulas ou são transportados de um lado para o outro, amontoados em pequenas e muitas vezes mal ventiladas jaulas. O que não é apenas stressante, mas também perigoso. Há alguns anos, um elefante no Camboja morreu de exaustão pelo calor a que foi sujeito durante o transporte, e infelizmente não é caso único. A estes animais não é permitido brincar, embora tal não seja apenas uma diversão, mas uma necessidade. Brincar alivia o stress e isto explica por que razão animais de circos, mas também muitos animais de zoos, frequentemente apresentam depressão. Comportamentos repetitivos ou até auto-mutilação são sintomas de depressão, e não há necessidade de dizer que estes aspetos comportamentais nunca são identificados em ambiente selvagem.

No entanto, não é apenas o bem-estar animal e a segurança que não podem ser garantidos. Um relatório do Eurogroup for Animals indica-nos que houve 305 incidentes entre elementos do público e animais de circo na UE entre 1995 e 2017. Nada menos que 11 pessoas, incluindo crianças, foram mortas e 86 pessoas foram feridas por animais selvagens num circo.

Mas também há algumas boas notícias porque a consciencialização sobre esse assunto entre os governos, especialmente na Europa, parece estar a crescer. Alguns países proibiram o uso de animais selvagens em circos e outros países proibiram mesmo o uso de todos os animais. Mas há ainda muitos países que não adotaram quaisquer leis que restrinjam o uso de animais em circos.

Felizmente, nem tudo está na mão dos governos porque teremos sempre a sociedade como influência. Em vez de visitar circos que usam animais para entretenimento, visite os circos que não o fazem. Há uma abundância de belos circos sem animais em todo o mundo, tudo que terá a fazer é procurá-los."

Merle Claus

Sociedade Protectora dos Animais

Parceria com a
Sociedade protectora dos animais
Siga-os nas redes sociais!

Siga-os no Facebook Siga-os no Instagram

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório