Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2018
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Número de mortos provocados por epidemia de ébola no Congo subiu para 152

O número de mortos provocados pela epidemia de ébola na província de Nord-Kivu, leste da República Democrática do Congo (RDCongo), aumentou para 152, de acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) em 19 de outubro.

Número de mortos provocados por epidemia de ébola no Congo subiu para 152
Notícias ao Minuto

09:16 - 21/10/18 por Lusa

Mundo Nord-Kivu

A atualização dos registos da OMS da nova epidemia na RDCongo, declarada a 1 de agosto, comprovam a tendência de crescimento do número de mortos e também nos casos sinalizados - 235 - em resultado da infeção de ébola.

Em 17 de outubro, o número de mortos fixava-se em 139 desde 1 de agosto, enquanto foram identificadas 216 pessoas infetadas com ébola.

Uma semana antes, havia 115 mortos e 181 casos.

A epidemia de ébola foi declarada em Mangina, estendendo-se até Beni, baluarte do grupo armado ADF (Forças Democráticas Aliadas), que multiplicou os ataques contra civis, complicando a resposta sanitária.

Na passada quarta-feira, em Genebra, na Suíça, a OMS decidiu não declarar estado de emergência de saúde pública internacional a epidemia de ébola na RDCongo.

Após a reunião de urgência do Comité de Emergência, a OMS comunicou que "não deve ser declarada por agora uma emergência de saúde pública de amplitude internacional".

"A avaliação do risco de propagação é baixa a nível global, mas é muito alta, tanto a nível nacional [na RDCongo], como regional. Não houve alteração na avaliação de risco desde 28 de setembro", considerou o Comité de Emergência da OMS.

Salientando que "a vigilância e monitorização permanentes é fundamental", a OMS revelou ainda que está "profundamente preocupada com a epidemia" e referiu que "as respostas precisam de ser intensificadas".

A pior epidemia de ébola na história atingiu a África Ocidental entre o final de 2013 e 2016, causando mais de 11.300 mortos em 29.000 casos sinalizados, mais de 99% na Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa.

A OMS foi então fortemente criticada pela resposta lenta.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório