Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2018
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 18º

Edição

Perto de 100.000 assinalam centenário do assassínio do último czar

Uma procissão juntou perto de 100.000 pessoas na noite de segunda-feira para hoje em Ekaterimburgo (Urais) para assinalar o centenário do assassínio pelos bolcheviques do último czar da Rússia Nicolau II e da sua família.

Perto de 100.000 assinalam centenário do assassínio do último czar
Notícias ao Minuto

13:57 - 17/07/18 por Lusa

Mundo Rússia

O patriarca da igreja ortodoxa Kirill guiou a procissão, que deixou cerca das 02:00 o local onde foram mortos o czar e a sua família, em Ekaterimburgo, e se dirigiu para o mosteiro de Ganina Iama, situado a 21 quilómetros e construído pela igreja para assinalar a execução.

"Rezamos pelo czar e imperador Nicolau, um mártir, rezamos por aqueles que sofreram com ele", declarou Kirill perante a multidão, adiantando que a Rússia deve retirar lições "desta experiência difícil e amarga".

Nicolau II, a czarina Alexandra e os seus cinco filhos foram fuzilados na noite de 16 para 17 de julho de 1918 pelos bolcheviques, que acabaram assim com 300 anos da dinastia dos Romanov à frente do império russo.

A família imperial foi canonizada em 2000 pela igreja ortodoxa russa e em 2008 o Supremo Tribunal da Rússia reabilitou-a, considerando-a vítima da repressão política bolchevique.

Xenia Lutchenko, especialista em questões da igreja ortodoxa russa, disse ao jornal Vedomosti que o Estado russo se absteve de assinalar este centenário porque o assassínio de Nicolau II e da sua família "não pode ser utilizado no contexto da educação patriótica, já que eles foram fuzilados por membros da Tchéka", antecessora do KGB, do qual o presidente russo, Vladimir Putin, foi agente.

Descobertos em 1979, os restos mortais de Nicolau II, da sua mulher e de três dos seus filhos foram enterrados na fortaleza de Pedro e Paulo em São Petersburgo em 1998.

O patriarca da altura evitou a cerimónia e vinte anos depois a igreja ortodoxa continua a recusar reconhecer a sua autenticidade.

Encontrados em 2007, os presumíveis restos de dois outros filhos ainda não foram enterrados devido ao desacordo entre as autoridades e a igreja.

Segundo esta, os bolcheviques queimaram sem deixar rasto os corpos das suas 11 vítimas, os da família imperial e de outros próximos, numa vala de uma floresta nos Urais, perto do mosteiro de Ganina Iama.

Por ocasião do centenário, a igreja pode dar um passo e considerar um enterro religioso, depois de novos testes de ADN terem confirmado na segunda-feira a autenticidade dos restos da família imperial.

O clero analisará "com atenção" esses resultados, declarou o porta-voz da igreja, Vladimir Legoida, saudando a "atmosfera de transparência" com que as autoridades russas conduziram o inquérito, aberto em 2015 e ainda em curso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório