Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 17º

Colombianos vão domingo às urnas para eleger Presidente da República

Cerca de 49 milhões de colombianos estão inscritos para votar domingo nas eleições presidenciais, num ambiente de bipolarização entre a direita, com o candidato Iván Duque, e a esquerda, do ex-guerrilheiro e ex-autarca de Bogotá Gustavo Petro (na imagem).

Colombianos vão domingo às urnas para eleger Presidente da República
Notícias ao Minuto

17:16 - 25/05/18 por Lusa

Mundo Sufrágio

Nesta eleição, vai pesar fortemente o acordo de paz assinado com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), grupo guerrilheiro de esquerda ativo cerca de 50 anos no país, e cujo futuro dependerá em grande parte do novo chefe de Estado.

O acordo, que atravessa uma crise, é um compromisso do Estado colombiano mas a sua execução dependerá, em parte, da vontade do próximo Presidente de levar adiante o pacto que levou cerca de 7.000 guerrilheiros a abandonarem as armas.

Os colombianos estão divididos entre aqueles que acreditam que o acordo precisa mudar porque é muito generoso com as FARC, agora convertida em partido político, e aqueles que o defendem pela paz que garante.

A dúvida sobre o futuro da paz é real para a coligação de direita liderada por Iván Duque, candidato do Centro Democrático e que lidera todas as sondagens de intenção de voto.

Duque tem o apoio dos ex-Presidentes Álvaro Uribe (2002-2010) e Andrés Pastrana (1998-2002), principais opositores ao acordo com as FARC e que já mostraram a sua força no plebiscito de 02 de outubro de 2016, em que lideraram o triunfo do "não" ao pacto com a ex-guerrilha.

O acordo com as FARC só foi aprovado, posteriormente com reformulações, pelo Congresso colombiano em dezembro de 2016.

Numa entrevista à agência de notícias espanhola EFE, Duque garantiu que não quer "rasgar" o legado do atual Presidente Juan Manuel Santos, o que inclui o acordo de paz, mas alcançar um país de "consensos", mostrando a vontade de corrigir apenas "algumas de suas políticas económicas e sociais".

O defensor mais ferrenho do acordo é o candidato do Partido Liberal, Humberto de la Calle, que negociou com as FARC e que, em entrevista à agência EFE disse que a paz está "em risco" com uma vitória Duque ou também de Germán Vargas Lleras, de direita, do movimento 'Melhor Vargas Lleras'.

Junto com o liberal, outro candidato que aposta na paz no período de 2018 a 2022 é o esquerdista Gustavo Petro, do movimento Colômbia Humana e ex-autarca de Bogotá.

Petro, ex-membro do movimento guerrilheiro 19 de abril (M-19) foi desmobilizado graças a um acordo em 1991, afirmou que a paz é mais do que desarmar as FARC.

Tanto que seu programa tem o título "rumo a uma era de paz", para o qual considera necessário melhorar serviços como educação, saúde ou a relação com a natureza, entre outros.

Petro ocupa o segundo lugar em todas as pesquisas com um intervalo variável de apoio, mas com um cenário difícil numa possível segunda volta devido à polarização gerada por suas declarações.

Os outros dois candidatos, o ex-vice-presidente Vargas Lleras e o ex-autarca de Medellín, Sergio Fajardo, manifestaram o seu apoio ao acordo de paz, o segundo com mais clareza, em parte porque é apoiado pelos verdes e pelo esquerdista Pólo Democrático Alternativa (PDA).

No próximo domingo, essas cinco visões serão testadas nas urnas e se, como indicam as pesquisas de intenção de voto, Duque e Petro passarem para a segunda volta, a paz poderá tornar-se uma questão decisiva na eleição do próximo Presidente da Colômbia.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório