Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2018
Tempo
32º
MIN 31º MÁX 33º

Edição

Governo quer adiar entrada em vigor da nova Lei Enquadramento Orçamental

O Governo quer adiar por dois anos a entrada em vigor da Lei de Enquadramento Orçamental (LEO), fazendo com que só o Orçamento do Estado de 2021 respeite as novas regras, disse hoje o secretário de Estado do Orçamento.

Governo quer adiar entrada em vigor da nova Lei Enquadramento Orçamental
Notícias ao Minuto

20:09 - 13/03/18 por Lusa

Economia João Leão

Numa audição no parlamento, o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, afirmou que "até ao final de abril o Governo vai apresentar uma proposta de Lei que adia por dois anos a entrada em vigor da nova LEO", acrescentando que há aspetos que podem ser introduzidos de forma faseada mais cedo.

Isto significa que a nova LEO só entrará em vigor em setembro de 2020 e, por isso, só o Orçamento do Estado de 2021 vai respeitar as novas regras, disse João Leão à agência Lusa.

Recorde-se que o anterior governo PSD/CDS-PP apontou o arranque da nova LEO para o início de 2017, mas este executivo adiou-o para este ano, para que o Orçamento do Estado de 2019 já contasse com as novas regras.

Além disso, segundo o governante, é expectável que entrem no parlamento, até ao primeiro semestre de 2019, as alterações legislativas cuja revisão é necessária (e complementar à LEO).

Em janeiro, e também no parlamento, o ministro das Finanças, Mário Centeno, já tinha admitido que o adiamento da entrada em vigor em pleno da Lei de Enquadramento Orçamental era "uma inevitabilidade".

Hoje, o secretário de Estado veio admitir que os processos por trás da alteração à LEO são "muito demorados e exigentes" e recordou que estas reformas levaram, noutros países, pelo menos cinco anos.

O deputado do PSD Cristóvão Crespo mostrou-se preocupado com os novos atrasos na implementação da lei e questionou o "empenhamento político" do Governo nesta reforma: "Em 2016 não houve avanços. Existe um ano de vazio", disse.

Também o deputado do CDS João Almeida desvalorizou o impacto que a mudança de governo poderia ter no processo: "É um processo técnico, não político. Esta questão já corria tecnicamente e não houve uma identificação imediata para alargar o prazo".

Nesse sentido, o deputado centrista questionou o secretário sobre se este será o último adiamento e se a Administração Pública tem todas as condições para cumprir os novos prazos.

"Os prazos que vamos apresentar de mais dois anos são exigentes. Pensamos que é exequível, temos confiança", respondeu João Leão, admitindo ainda assim que as questões "mais exigentes" serão as últimas a entrar em vigor, como a orçamentação de programas.

A nova LEO implica, entre outras questões, a implementação da Entidade Contabilística Estado, que se está a mostrar "muito mais exigente" do que o inicialmente previsto, lê-se num ofício do Ministério das Finanças enviado aos deputados e a que a agência Lusa teve acesso.

"De forma a garantir a sustentabilidade de todo o processo de reforma, não será possível transitar integralmente para os novos processos de gestão financeira pública já a partir de 2019", lê-se no documento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório