Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Turismo com ligeira melhoria em junho sobretudo graças aos residentes

Estimativa do Instituto Nacional de Estatística indica que junho terá registado 500,5 mil hóspedes e 1,1 milhões de dormidas. No mês anterior, a queda de hóspedes tinha sido de 94%, agora situa-se nos 81,7%.

Turismo com ligeira melhoria em junho sobretudo graças aos residentes

Depois de um período  de paralisação, o turismo em Portugal já começa a mexer, ainda que a meio gás. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelados esta segunda-feira indicam que, em junho, o setor do alojamento turístico deverá ter registado 500,5 mil hóspedes (em maio tinha registado 149,8 mil hóspedes) e 1,1 milhões de dormidas (307,0 mil dormidas em maio), o que corresponde a variações de -81,7% e -85,1%, respetivamente (-94,2% e -95,3% em maio, pela mesma ordem).

As dormidas de residentes terão diminuído 59,8% (-85,9% em maio) e as de não residentes terão decrescido 96,0% (-98,4% no mês anterior), detalha o INE.

O INE lembra que estas ligeira melhoria acontece num mês em que 45,2% dos estabelecimentos de alojamento turístico terão estado encerrados ou não registaram movimento de hóspedes.

De acordo com os resultados de um questionário específico adicional que o INE promoveu durante os meses de junho e julho, 62,6% dos estabelecimentos de alojamento turístico respondentes (representando 78,6% da capacidade de oferta) assinalaram que a pandemia Covid-19 motivou o cancelamento de reservas agendadas para os meses de junho a outubro de 2020, maioritariamente dos mercados nacional e espanhol.

A maioria dos estabelecimentos que planeava estar em atividade nos meses de junho a outubro previa registar taxas de ocupação inferiores a 50% em cada um desses meses.

A maioria dos estabelecimentos (57,0%) não prevê alterar os preços praticados face ao ano anterior. No entanto,  cerca de um terço dos estabelecimentos (34,9%) admite vir a reduzir os preços, encontrando-se maioritariamente localizados na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve (58,8% e 54,5% dos estabelecimentos, respetivamente).

Em função da aplicação de medidas necessárias de distanciamento social, de higiene e limpeza dos estabelecimentos, 49,1% dos estabelecimentos referiram que a capacidade oferecida iria ser reduzida, principalmente decorrente do aumento do intervalo de tempo entre o check-out e o check-in dos hóspedes (55,9% dos estabelecimentos) e da redução do número de quartos (48,6%).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório