Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Disponíveis 2,6 milhões para ajudar afectados do incêndio em Bragança

O director regional de Agricultura e Pescas do Norte anunciou hoje que foram apresentadas 18 candidaturas aos 2,6 milhões de euros do PRODER para intervenções de emergência determinadas pelo grande incêndio de Julho no sul do distrito de Bragança.

Disponíveis 2,6 milhões para ajudar afectados do incêndio em Bragança
Notícias ao Minuto

17:43 - 03/01/14 por Lusa

Economia Apoio

"As candidaturas vão ser analisadas ao longo de todo o mês de janeiro, estando disponíveis cerca de 2,6 milhões de euros destinados a ações de estabilização de emergência pós incêndio, vocacionadas entre outros para os impactos erosivos sobre os solos", disse hoje à Lusa Manuel Cardoso.

As candidaturas foram apresentadas por seis juntas de freguesias dos concelhos de Mogadouro, Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta e pelo município de Alfândega da Fé, às quais se juntam particulares.

Nesta primeira fase, o montante disponível poderá ser aplicado na desobstrução e correção das linhas de água, proteção e diminuição dos impactos erosivos sobre os solos, tratamento e proteção das encostas e taludes.

"Estas candidaturas, apesar de estarem a ser agora analisadas, podem cobrir despesas feitas pelos proprietários logo a seguir ao incêndio, o que significa que foi dada uma resposta atempada por parte do Estado", acrescentou o responsável.

O incêndio destruiu dezenas de hectares de culturas, como é o caso de olivais e amendoais. Porém, nesta matéria ainda não há uma linha de apoio efetiva para repor estas culturas perdidas.

"De momento, não estamos a fazer a recuperação do potencial produtivo relacionado com culturas. Estamos apenas a fazer a estabilização de emergência. A questão das culturas ainda vai ser vista em projetos futuros", frisou.

O incêndio de julho consumiu uma área estimada em 14.912 hectares de terreno, dos quais 11.980 em espaços florestais e agrícolas, afetando localidades dos concelhos de Alfândega da Fé, Mogadouro, Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo. O concelho de Mogadouro "foi o mais afetado pelas chamas", tendo ardido 6.850 hectares de florestas e diversas culturas agrícolas.

Passados quase sete meses, os proprietários agrícolas fazem contas à vida, garantindo que há zonas que nem daqui a 15 anos voltam a dar flor ou fruto, dada a violência com que as chamas afetaram as culturas, a que se junta agora a erosão dos terrenos.

O fogo começou na noite de 09 de julho junto aos Picões e Ferradosa, no concelho de Alfândega da Fé, e alastrou-se de imediato aos concelhos de Mogadouro, Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo.

O maior incêndio registado em 2013 em território nacional chegou a ter seis frentes ativas e a ser combatido por mais de 900 elementos de todo o país e só foi dado como extinto na manhã de 12 de julho.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório