Meteorologia

  • 15 SETEMBRO 2019
Tempo
23º
MIN 21º MÁX 30º

Edição

Portos nacionais movimentam 87 milhões de toneladas em 2018

Os portos comerciais do continente movimentaram cerca de 87 milhões de toneladas de mercadorias em 2018, menos 2,5% face ao recorde de 2017, destacando-se Sines, com uma quota de 51%, foi hoje divulgado.

Portos nacionais movimentam 87 milhões de toneladas em 2018
Notícias ao Minuto

09:00 - 06/09/19 por Lusa

Economia Portos

Segundo o relatório sobre "Tráfego Marítimo de Mercadorias no Contexto da Intermodalidade", elaborado pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), este recuo deve-se sobretudo à redução da importação de granéis líquidos, "onde o petróleo bruto detém especial significado".

Entre os portos com variações negativas face a 2017, destacam-se Lisboa (-6,8%), Leixões (-2,4%) e Sines (-4,6%).

Em sentido oposto, "apenas Aveiro, Setúbal e Faro observaram uma variação positiva, com acréscimos de, respetivamente, 9,2%, 12,7% e 71,3%".

Em 2018, o transporte marítimo representou uma quota de 4,4% do total do tráfego nacional e de 73,8% do tráfego internacional.

De acordo com os dados apurados pela AMT, foram movimentadas em 2018 pelos diversos modos de transporte (marítimo, rodoviário, ferroviário e aéreo) cerca de 252,4 milhões de toneladas de mercadorias em termos de peso líquido, menos 1,2% face ao registado em 2017, tendo o tráfego nacional sido responsável por 58,5%, e o tráfego internacional por 41,5%.

O volume global de mercadorias transacionadas internacionalmente por Portugal atingiu em 2018 um total de 101,6 milhões de toneladas (-1,4% face a 2017), correspondentes a 133 mil milhões de euros (+6,8%), a preços correntes.

Na distribuição modal deste volume de mercadorias, a quota maioritária, de 56,5%, coube ao transporte marítimo, em termos de peso das mercadorias, e em valor, a quota dominante, de 59,6%, coube ao transporte rodoviário.

Segundo a AMT, o tráfego de importação recorreu sobretudo ao transporte marítimo, que representou 60,5% da tonelagem e 26,7% do valor, em 2018, tendo ficado aquém da tonelagem de 2017 em 3,7% e excedido o seu valor em 10,3%.

Das mercadorias importadas pelo modo marítimo destaca-se em volume o petróleo bruto, correspondente a 32,6% do total.

O relatório indica também que o volume de importações por utilização dos portos comerciais do Continente desceu 4,6% face a 2017, tendo tido o maior contributo do porto de Sines que representou uma quota de 54%.

O transporte marítimo de mercadorias movimentadas nos portos do Continente em 2018 foi assegurado por operadores de cerca de 62 nacionalidades, sendo que no tráfego internacional o maior volume foi afeto à Suíça, com uma quota de 29,7%, seguindo-se a Holanda e a Grécia com 8,3% e 8%, respetivamente.

O relatório destaca a quebra de 38% registada no volume de mercadorias transportada por operadores registados no Reino Unido, em 2018 face a 2017, "de cuja responsabilidade não é alheio o processo do 'Brexit' [saída do Reino Unido da União Europeia]".

No tráfego nacional, Portugal manteve, no ano passado, a primeira posição como país de registo preferencial dos operadores deste tráfego, com 73,3% (um aumento de 3,6% face a 2017), seguindo-se a Alemanha, com 7,4%, a Holanda, com 6,8%, e a Suíça, com 4,7%.

O Panamá manteve-se como o país de registo de navios com maior movimentação em termos de tráfego internacional, responsável por movimentar cerca de 15,6% do total, num valor de mais de 12 milhões de toneladas, seguindo-se a Libéria e Malta, com 15,2% e 12,2%, respetivamente.

"Neste capítulo Portugal regista também um comportamento notável, pois cresce 38,4%, fixando-se com uma quota de 7,2%, ocupando a quinta posição", indica o relatório.

Relativamente ao volume de contentores movimentados, atingiu em 2018 um total de 2,9 milhões de TEU, volume idêntico ao registado no ano anterior, depois do aumento de 9,3% registado em 2017 face a 2016, com uma taxa média anual de crescimento de 4,9% nos últimos cinco anos.

Segundo o relatório, o movimento de navios em 2018 registou um total de 10.325 escalas e uma arqueação bruta (GT) (medida do volume total dos espaços fechados do navio) de cerca 205,5 milhões, traduzindo quebras de 3,1% e de 0,3%, respetivamente, face a 2017.

Leixões manteve-se como o porto com o maior número de escalas, com uma quota de 24,3% do total, seguido de Lisboa (22,8%) e de Sines (20,3%), com quebras de 3,6%, 7,4% e 5,1%, respetivamente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório