Meteorologia

  • 26 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Quadro comunitário pós 2020 "não serve interesses de Portugal"

O ministro do Planeamento defendeu hoje no parlamento que a proposta da Comissão Europeia para o próximo Quadro Financeiro plurianual (QFP) "não serve os interesses de Portugal", sublinhando que o Governo vai bater-se por estes até ao último dia.

Quadro comunitário pós 2020 "não serve interesses de Portugal"
Notícias ao Minuto

13:39 - 22/02/19 por Lusa

Economia Ministro Planeamento

"Sempre dissemos, e mantemos, que a proposta da Comissão de redução de 7% na Política de Coesão e a redução da política agrícola comum não serve os interesses de Portugal", disse Nelson de Souza, que se estreou hoje na Assembleia da República como ministro do Planeamento, sucedendo a Pedro Marques.

Nelson de Souza garantiu ainda que o Governo não vai deitar "a toalha ao chão", continuando a negociar e a "usar todos os instrumentos ao dispor", se preciso, "até à última noite das negociações no Conselho Europeu".

Porém, o governante sublinhou, na sua intervenção de encerramento do debate temático sobre a estratégia Portugal 2030, que a atual proposta já representa "um ganho negocial" face ao anterior quadro comunitário.

"Além do fundo de coesão, estamos a tentar defender os nossos interesses [no que se refere] ao acesso mais facilitado aos programas de gestão. Muitos dos senhores deputados clamaram e bem, contra a injustiça da redução, a preços reais, do plano de coesão em 7%, mas isto já representa um ganho negocial face ao quadro comunitário anterior", no qual o corte era de 10%, afirmou.

O ministro do planeamento notou que, mesmo assim, a negociação continuará a ser feita em conjunto, reiterando que o Governo "não vai deitar a toalha ao chão".

A Comissão Europeia propôs, em 01 de junho de 2018, uma verba de cerca de 7,6 mil milhões de euros no Quadro Financeiro Plurianual (QFP) 2021-2027, a preços correntes, abaixo dos 8,1 mil milhões do orçamento anterior, com uma ligeira subida nos pagamentos diretos e cortes no desenvolvimento rural.

A preços correntes, para o QFP 2021-2027, está prevista uma verba de 4,2 mil milhões de euros no primeiro pilar da Política Agrícola Comum (PAC) e de 3,4 mil milhões no segundo.

Na distribuição dos apoios, a comissão propôs que os pagamentos diretos aos agricultores superiores a 60 mil euros tenham deduções e sejam limitados a 100 mil euros por exploração, estando os Estados obrigados a reservar 2% do montante recebido para os pagamentos diretos para ajudar à instalação de jovens agricultores.

No domínio do ambiente é proposto que 40% do orçamento global da PAC contribua para reforçar a ação climática e, pelo menos, 30% de cada dotação nacional para o desenvolvimento rural seja empregue em medidas ambientais e climáticas.

Adicionalmente, será ainda reservado um montante de 10 mil milhões de euros do programa da investigação da União Europeia (UE) - Horizonte Europa - para programas de investigação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório