Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

Edição

AEP: Siza Vieira era já considerado "o verdadeiro ministro da Economia"

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP) disse hoje que não previa "uma remodelação governamental tão acentuada", mas compreende a substituição de Caldeira Cabral por Siza Vieira, atualmente considerado "o verdadeiro ministro da Economia".

AEP: Siza Vieira era já considerado "o verdadeiro ministro da Economia"
Notícias ao Minuto

16:38 - 14/10/18 por Lusa

Economia Governo

"Não sabia que esta remodelação governamental ia ser tão acentuada como foi, embora o papel do ministro Adjunto [Pedro Siza Vieira] nos últimos tempos desse a entender que ele cada vez mais estava a ter uma grande proximidade às empresas", afirmou à agência Lusa Paulo Nunes de Almeida, acrescentando que "havia até alguns empresários que tinham comentado que o consideravam já como o verdadeiro ministro da Economia".

Num contexto em que a "margem de manobra" do Ministério da Economia é "relativamente pequena" - perdeu para outros ministérios pastas "importantes para as empresas" como os fundos estruturais, a Agência para o Investimento e Comércio Externo das Empresa (AICEP)] e as áreas laborais - a AEP diz esperar que "esta alteração signifique um aumento do peso político do ministro da Economia e da transversalidade da sua intervenção".

"Pode ser útil, porque as empresas precisam que o conjunto de dossiês que estão dispersos por outros ministérios possam ter um acompanhamento diferente daquele que tinham e que resultava não tanto da figura do ministro, mas também da própria arquitetura que o Governo tinha relativamente à área da Economia", considera Nunes de Almeida.

Fazendo um balanço da prestação de Manuel Caldeira Cabral na pasta da Economia, o presidente da AEP recorda que "foi um ministro que viveu uma recuperação económica (2017 foi o ano em que a economia portuguesa mais cresceu praticamente durante este século)", mas destaca que "isso se deveu muito ao trabalho das empresas e dos empresários, com os bens transacionáveis e o turismo a darem um forte contributo para o crescimento da economia".

"O ministro da Economia obviamente que tentou sempre acompanhar esse trabalho que estava a ser feito pelos empresários, mas a sua margem de manobra era pequena", considera.

Como "o aspeto mais positivo" da intervenção de Caldeira Cabral, Paulo Nunes de Almeida elege "o facto de, durante o seu mandato, Portugal ter passado a ter uma visibilidade externa naquilo que tem a ver com empresas inovadoras, as designadas 'startups'".

"Acho que aí teve um papel meritório e Portugal hoje é visto por muitos outros países como sendo um país em que se pode investir e com recursos humanos válidos para esse tipo de desenvolvimento. Esse é um mérito que não lhe devemos tirar", sustentou.

"Quanto ao resto -- acrescenta - acho que fundamentalmente o mérito foi das empresas e dos empresários, que conseguiram contornar as dificuldades existentes e por o país a crescer mais do que aquilo que tinha acontecido nos anos anteriores".

O primeiro-ministro fez hoje a maior remodelação no Governo, envolvendo quatro ministérios, com a substituição, na Defesa, de Azeredo Lopes por João Gomes Cravinho, e na Economia, de Manuel Caldeira Cabral por Pedro Siza Vieira.

O primeiro-ministro propôs ainda as mudanças do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, substituído por Marta Temido, e do ministro da Cultura, pasta em que Graça Fonseca sucede a Luís Filipe Castro Mendes - nomeações já aceites pelo Presidente da República.

Com as mudanças agora operadas, o número de ministros desce de 17 para 16, já que Pedro Siza Vieira passa a ser ministro Adjunto e da Economia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório