Meteorologia

  • 21 JULHO 2018
Tempo
26º
MIN 24º MÁX 27º

Edição

Entre 250 a 300 produtores afetados em Lamego com prejuízos de 80%

Entre 250 a 300 produtores agrícolas foram afetados, em Lamego, pela queda de granizo na quarta-feira, estimou hoje a associação do setor, referindo que, em média, os prejuízos nas culturas situam-se na ordem dos 80%.

Entre 250 a 300 produtores afetados em Lamego com prejuízos de 80%
Notícias ao Minuto

13:03 - 22/06/18 por Lusa

Economia Mau tempo

Em Lamego, distrito de Viseu, os produtores, na sua maioria com explorações de cereja, maçã e pêra, "foram gravemente afetados" pela queda de granizo que se registou na quarta-feira, disse hoje à agência Lusa Sandra Luís, técnica agrícola responsável da Associação dos Produtores Agrícolas do Ave do Douro (APAVDouro).

Também se registam "grandes prejuízos" em três explorações de mirtilos do concelho, que, além do fruto destruído, têm as infraestruturas danificadas, acrescentou.

A estimativa dos prejuízos surge depois de uma reunião que decorreu na quinta-feira, em que estiveram presentes os presidentes das câmaras municipais de Lamego, Resende, Tarouca e Moimenta da Beira, bem como "bastantes agricultores".

"Ficámos sem cerejas, sem maçãs e sem pêras", notou Sandra Luís, ela própria produtora, que normalmente colhia 15 toneladas de cereja e ficou praticamente "sem nada".

As explorações, sublinhou, "ficaram gravemente afetadas", principalmente na zona este do concelho, estando "comprometida a produção deste ano e do próximo ano".

Depois de uma colheita fraca das variedades mais precoces da cereja, no início de junho, face à chuva, a colheita das restantes variedades ainda não tinha sido realizada, nem das maçãs ou das pêras, informou.

Além de os frutos terem ficado destruídos, "os ramos que tinham gomos que iam dar fruto no próximo ano foram destruídos", vincou, antevendo um grande impacto também para o próximo ano.

"Quem tem seguros de colheitas vai ser indemnizado, só que o dinheiro que vai receber da indemnização representa 40% do prejuízo real", constatou Sandra Luís.

Para a técnica da APAVDouro, "são necessárias medidas de apoio pelo Governo".

"A economia da região vai ficar em cheque. Já está em cheque e vai tornar-se insustentável, num território em que o setor predominante é o primário", vincou, considerando que deveria ser declarada calamidade pública.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.