Meteorologia

  • 25 JANEIRO 2020
Tempo
MIN 8º MÁX 14º

Edição

"Temos de fazer um jogo muito competente e não deixar o Sporting jogar"

O dérbi eterno está agendado para esta sexta-feira às 21h15.

"Temos de fazer um jogo muito competente e não deixar o Sporting jogar"

Sporting e Benfica vão defrontar-se, nesta sexta-feira, pelas 21h15, num duelo relativo à 17.ª e última jornada da primeira volta do campeonato.

Esta é a segunda vez que as duas maiores forças desportivas da capital portuguesa se confrontam, na presente temporada, depois dos 5-0 aplicado pelas águias aos leões na Supertaça Cândido de Oliveira.

Bruno Lage fez a antevisão a este encontro, nesta quinta-feira, recordando os perigos deste leão. O treinador contou ainda uma curiosa história que se passou no seu tempo de trabalho em Inglaterra, recordando ainda uma multa que recebeu em Portugal, para terminar a falar da relação entre Pizzi e Bruno Fernandes. 

Confira abaixo as declarações do técnico dos encarnados: 

Preparação para o dérbi: Temos treinado, temos feito as nossas análises, olhámos para o nosso adversário e o que podemos fazer.

Ferro e Gabriel estão disponíveis? Os dois estão convocados para este dérbi.

Preparou o jogo a pensar num adversário com ou sem Bruno Fernandes: Pensamos o jogo tendo em conta a força do colectivo. O Bruno Fernandes é um excelente jogador e dá um enorme contributo ao Sporting, mas a dinâmica do nosso adversário não muda sem ele, agora claro que dá uma qualidade inegável ao Sporting não temos a mínima dúvida disso.

Silas falou do enorme investimento do Benfica. Trata-se de uma pressão do adversário? Significa que o adversário esteve atento aos nossos gastos. Eu não olhos as coisas por aí. O valor da minha equipa não o vejo por investimentos feitos. O valor monetário dos jogadores vale o que vale. O que importa é o contributo que cada um dá. Eu gosto de um plantel curto, com vários possibilidades e que me dê garantias para todos os jogos.

Calendário apertado do Benfica: Veja a resposta que nos demos frente ao Rio Ave. Tivemos um mês de dezembro forte, um mês de janeiro também forte. Conseguimos ser fortes e jogar a um nível alto durante 90 minutos. Temos uma equipa que joga numa intensidade muito forte e recupera rapidamente jogo após jogo. 

Maiores cautelas defensivas pelo ataque vertical do Sporting e tendo em conta os golos sofridos frente ao Rio Ave: Nós e o Sporting... veja como eles sofreram o primeiro golo contra o FC Porto. O controlo da profundidade não passa pelo que os defesas podem fazer, mas pelo que os avançados podem fazer. Frente ao Rio Ave, eles tiveram vários avançados a explorar as nossas e que nos causaram dificuldades. Isto é um processo de evolução e de análise. O Sporting é um adversário muito competente, que explora muito bem, através de muita gente entre linhas, a explorar os espaços por dentro e em profundidade. Temos de fazer um jogo muito competente e não deixar o Sporting jogar. Temos de criar várias oportunidades de golo e é para isso que vamos lutar. 

O que vale este jogo numa perspetiva de campeonato: Vale apenas três pontos e queremos vencer este encontro. Claro que falamos de um dérbi da cidade e um dos mais importantes duelos a nível nacional. Todos querem ganhar este dérbis, seja em que escalão for. Nós, treinadores, também queremos que as nossas equipas tenham um excelente comportamento.

Os dois jogos mais importantes da I Liga são a uma sexta-feira. Que consideração lhe merece? Temos de nos questionar, apesar de, nas nossas vidas, andarmos sempre a correr de um lado para o outro. Nós temos de pensar sobre certas coisas que acontecem no nosso futebol. Às vezes continuamos a fazer as coisas só porque sim. Eu em Inglaterra estava a fazer um aquecimento para um jogo que ia acontecer no sábado e tivemos a indicação que o jogo ia ser adiado por 30 ou 45 minutos. Porquê? Porque um autocarro com adeptos tinha ficado preso na auto-estrada e daí o atraso na hora da partida. O futebol vive da paixão e dos adeptos. E é neste tipo de coisas que temos de começar a pensar. É nos adeptos e nas horas que os adeptos demoram a chegar ao estádio que temos de pensar. Temos de olhar para o lado do adepto e isso é fundamental. Nós, em Portugal, somos o único país que exige que os treinadores tenham uma braçadeira de capitão. No ano passado estava com  uma lesão no tendão de aquiles e esqueci-me da braçadeira. Consequência? Multa de 500 de euros. Nós temos de pensar nestas coisas. Tinha a braçadeira no bolso, mas como estava de muletas atrapalhei-me todo. Resultado? Tive de pagar a multa. Mas porque é que somos o único país que exige que os treinadores tenham de ter braçadeira de identificação do cargo que ocupam? São as escolhas que fazemos, porque sim. Temos de reflectir sobre isto. Este dérbi merecia ser a um fim de semana e às 15h da tarde. Não a uma sexta-feira à noite.

Claques do Sporting de costas voltadas para o  clube: Em Inglaterra não há claques e o mais importante é os adeptos apoiarem os clubes. Eu só quero é que não haja problemas antes, durante e depois do encontro. Vejam o exemplo do Pizzi e do Bruno que são excelentes amigos, mas dentro do relvado não têm medo de meter o pé. Mas depois chegam a casa e começam a trocar piropos no Instagram

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório