Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
30º
MIN 18º MÁX 37º

Feira do Livro presta homenagem a José Pinho este fim de semana

O livreiro morreu, aos 69 anos, em Lisboa, vítima de doença prolongada.

Feira do Livro presta homenagem a José Pinho este fim de semana
Notícias ao Minuto

12:28 - 02/06/23 por Notícias ao Minuto com Lusa

Cultura Feira do Livro

A Feira do Livro de Lisboa vai realizar uma homenagem, no sábado, a José Pinho, fundador da ‘Ler Devagar’, que morreu esta semana, aos 69 anos, em Lisboa, vítima de doença prolongada.

“Pelas 17h00, a Feira do Livro de Lisboa vai parar e convidar todos os participantes, autores e visitantes a saudar José Pinho com uma salva de palmas durante 1 minuto”, lê-se num comunicado enviado pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) às redações.

A associação lembra José Pinho como um editor e livreiro “pautou a sua ação pelas ideias utópicas que transformava em realidade” e também como alguém que se “atirava” aos seu projetos com “um sorriso e uma ânsia de os ter já diante dos olhos de todos”.

“Despretensioso sobre o que é o livro e a literatura, era movido pela ânsia de tornar o acesso do livro algo democrático, banal e rotineiro, para todos e para todas. Olhava o mundo e congeminava como o poderia encher de livros”, refere Pedro Sobral, presidente da APEL.

“Mais do que um desejo, continuar este legado é, por isso, uma obrigação. É nosso dever levar o país a um lugar pelo que o José Pinho tanto lutou e pelo qual tanto fez. Sempre com um sorriso rasgado e uma gargalhada sonora”, rematou o responsável pela associação, da qual José Pinho já tinha sido vice-presidente.

Quem foi José Pinho?

José Duarte de Almeida Pinho nasceu em 1953 numa aldeia do concelho de São Pedro do Sul, no distrito de Viseu, e formou-se em Línguas e Literaturas Modernas, tendo começado por trabalhar em publicidade. Entre 1989 e 1995, foi editor da revista literária de análise e crítica social Devagar.

José Pinho esteve ligado à génese de vários projetos culturais, nomeadamente a livraria Ler Devagar, que durante os últimos vinte anos se instalou em seis espaços na cidade de Lisboa e se tornou um ponto de encontro das artes e uma livraria de fundos editoriais.

Esta foi apenas a primeira livraria que abriu, em 1999 no Bairro Alto, e que viria a fechar portas em 2005.

Em 2007, e em colaboração com a pequena livraria Eterno Retorno, a Ler Devagar esteve na origem do espaço da Fábrica Braço de Prata para, um ano mais tarde, se instalar no Lx Factory, em Alcântara.

Sete anos mais tarde, depois de ter sido desafiado a criar diversos locais culturais espalhados pela vila de Óbidos, em edifícios que estavam em ruínas e abandonados, o editor e livreiro partiu de uma ideia que vira no País de Gales e abriu 11 livrarias em lugares abandonados -- tais como as livrarias Santiago, do Mercado Biológico e da Adega -, tendo criado, assim, o projeto que viria a ficar conhecido como "vila literária".

José Pinho não se ficou por aí: a partir da sua experiência, e inspirado na Festa Literária Internacional de Paraty, propôs aliar a abertura das livrarias à realização de festivais literários, nascendo, assim, o Folio - Festival Literário Internacional de Óbidos e o Latitudes -- Literatura e Viajantes.

O seu arrojo valeu, em 2015, a classificação de Óbidos como Cidade Criativa da Literatura em Portugal, pela UNESCO.

Entre os projetos em que se destacou pela sua visão e audácia, conta-se também a reabilitação da histórica livraria Ferin, na Rua Nova do Almada, em Lisboa, em 2017.

Fundada em 1840, a Ferin atravessava graves problemas financeiros, o que não dissuadiu José Pinho de agarrar na livraria e a renovar, potencializando aquilo em que se destacava das outras: a estética, o mobiliário, a história e uma oferta de livros raros.

Aproveitando a sua localização na Baixa, valorizou-a com uma oferta literária dirigida a turistas.

Mais recentemente, José Pinho tornou-se diretor artístico do Festival Internacional de Literatura e Língua Portuguesa --- Lisboa 5L, uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa, aprovada em 2018, que já vai na quarta edição, com o objetivo de celebrar o Dia Mundial da Língua Portuguesa e promover a língua, a literatura, os livros, as livrarias, a leitura, os autores e os seus leitores.

Editou mais de vinte livros e fundou outros projetos ligados à atividade cultural, como a Nouvelle Librairie Française de Lisboa, uma livraria fundada e especializada em livros franceses, e a Ler Devagar Cinema, na Cinemateca Portuguesa, e a Ler Devagar Artes, na Culturgest, espaços entretanto já encerrados.

Foi representante da RELI - Rede de Livrarias Independentes, uma associação que procura garantir a sobrevivência das pequenas livrarias em Portugal.

Foi nesta condição que, durante o período de confinamento decorrente da pandemia, lutou contra o fecho das livrarias, através de medidas pensadas para fazer sobreviver os negócios e de reuniões com o Governo para conseguir apoios.

Mais recentemente, estava dedicado à criação daquele que era um dos seus sonhos mais antigos, o novo Centro Cultural e Social do Bairro Alto, projeto multidisciplinar para congregar livrarias, galerias, estúdios de cinema e de gravação de audiolivros e 'podcasts', salas de concertos e de artes performativas.

No começo de maio, foi agraciado com a medalha de mérito cultural pela Câmara Municipal de Lisboa, por ser considerado "uma personalidade ímpar da cidade".

A proposta apresentada pelo presidente da autarquia, Carlos Moedas, enaltecia José Pinho como "uma personalidade incontornável do setor cultural do país e da cidade de Lisboa, dedicando-se há mais de duas décadas a estimular e inovar a democratização do acesso à cultura e à formação de públicos, com especial enfoque na promoção do livro, da leitura, da língua portuguesa, da criação artística, bem como de todas as outras formas de expressão cultural".

Uma semana depois, recebeu, pelas mãos do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o grau de comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, destinado "a distinguir o mérito literário, científico e artístico".

As reações

Muitos responsáveis reagiram à morte do livreiro, entre os quais o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. "Em qualquer época, mas sobretudo numa época em que a cultura do livro enfrenta sérios desafios, a existência de livreiros esclarecidos, inventivos e combativos é essencial. E poucos livreiros o foram em tão alto grau, e com um lado saudavelmente aventureiro, lúdico, sedutor, como José Pinho", lembrou o chefe de Estado numa nota publicada no site da Presidência. 

Também o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, lembrou José Pinho, "o homem que não deixou desaparecer a Livraria Ferin, que fundou a icónica Ler Devagar, criou o ReLI e o Centro Cultural e Social do Bairro Alto e que levou mais longe a nossa literatura através do Lisboa 5L".

Outros responsáveis, como o primeiro-ministro, António Costa, também tiveram uma palavra a dizer. 

Leia Também: "Legado inesquecível": As reações à morte do livreiro José Pinho

Recomendados para si

;
Campo obrigatório