Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 17º

"Por um (MAT)rimónio Imaterial Negro" no Festival Imaterial em Évora

O Festival Imaterial, a decorrer em Évora, é hoje palco da conferência-dança "Por um (MAT)rimónio Imaterial Negro", promovida pela UNA -- União Negra das Artes.

"Por um (MAT)rimónio Imaterial Negro" no Festival Imaterial em Évora
Notícias ao Minuto

06:07 - 02/10/22 por Lusa

Cultura conferência-dança

A UNA, em comunicado, explica que com esta iniciativa "propõe uma reflexão sobre o que tem sido reservado à população negra em Portugal nos processos de definição e ressignificação do património material e imaterial do país".

"Na base desta iniciativa estão diversas questões: Quais são as vozes e corpos políticos que clamam por uma autogestão do património? Como os grupos subalternizados e oprimidos, muitas vezes destituídos de propriedade, se inserem nas políticas de representação do património cultural e propriedade intelectual de um país? Como podemos começar a pensar neste tema desde uma relação com o corpo, imagem e palavra?", lê-se no comunicado.

A conferência-dança está marcada para as 18:00, no Teatro Garcia de Resende, e "serão duas horas de encontro e entrega, com o público do festival, no intuito de promover a experiência de ativação dos corpos, a partir da estimulação das mentes em harmonização com os afetos".

"Por um (MAT)rimónio Imaterial Negro" conta com a participação, em representação da UNA, da produtora e agente cultural Ana Tica, da artista de dança Íris de Brito, da artista e poeta Maíra Zenun e da coreógrafa, performer e professora Piny.

A 2.ª edição do Festival Imaterial, de acesso gratuito, começou no sábado e prolonga-se até ao dia 09 de outubro, com a programação a dividir-se por vários espaços de Évora.

Em declarações à agência Lusa à margem da apresentação do festival, o diretor artístico, Carlos Seixas, salientou que esta edição, tal como a primeira, assume um "compromisso com o conhecimento dos povos e das culturas a nível mundial".

"Temos um ponto de encontro de pessoas ligadas às músicas de raiz", das quais "queremos retirar conhecimento das suas experiências", pois "o conhecimento do outro reforça o conhecimento de nós próprios", assinalou.

O cartaz inclui, entre outros, os portugueses Bandua, Cantadores do Desassossego, Grupo de Cantares de Évora, Hélder Moutinho e Amélia Muge, Farnaz Modarresifar & Haïg Sarikouyoumdjian (Irão/Arménia), Soona Park (Coreia do Sul), Tanxugueiras (Galiza, Espanha), Verde Prato (País Basco, Espanha), Parvathy Baul (Índia) e Barrut (Occitânia, França), Saz'iso (Albânia) e NATCH (Cabo Verde).

Uma das novidades desta edição é a realização de um ciclo de cinema documental, com curadoria da etnomusicóloga britânica Lucy Durán, que inclui a estreia de "All mighty Mama Djombo", realizado por Sylvain Prudhomme e Philippe Béziat.

No ciclo de conferências está também prevista uma abordagem ao "estado geral do cante alentejano".

No último dia do festival é atribuído o Prémio Imaterial, que visa "saudar e agradecer" a uma personalidade ou artista cujo percurso tenha sido "decisivo no incentivo ao diálogo entre diferentes culturas, no estímulo ao cumprimento dos direitos humanos e na defesa da igualdade de relacionamento e da paz entre os povos".

O Imaterial é organizado pela Câmara Municipal de Évora, em parceria com a Fundação Inatel.

Leia Também: Encenação 'L'elisir d'amore!', de Donizetti, abre temporada do S. Carlos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório