Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2018
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 22º

Edição

Mais de 600 obras nos 40 anos da Bienal de Cerveira

Uma homenagem ao artista Cruzeiro Seixas e a apresentação de mais de 600 obras marcam os 40 anos da Bienal de Arte de Vila Nova de Cerveira, que vai voltar a realizar-se em anos pares, anunciou a organização.

Mais de 600 obras nos 40 anos da Bienal de Cerveira
Notícias ao Minuto

09:50 - 09/08/18 por Lusa

Cultura ARte

"O momento é, claramente, de celebração de um êxito conquistado e consolidado ao longo de décadas. Estão todos convidados a participar na inauguração desta edição simbólica, que vai apresentar mais de 600 obras de 400 artistas de mais de 30 países", afirmou o presidente da Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC), Fernando Nogueira, citado numa nota à imprensa.

A 20.ª edição da bienal vai ser inaugurada na sexta-feira, às 15:30, no fórum cultural daquela vila do distrito de Viana do Castelo, numa sessão presidida pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

O evento vai decorrer até 23 de setembro, com o tema "Artes Plásticas Tradicionais e Artes Digitais - O Discurso da (Des)ordem", "mantendo o formato adotado desde a primeira edição, em 1978, afirmando-se como um local de encontro, debate e investigação de arte contemporânea, num programa concertado com o ensino superior das artes a nível Europeu".

Segundo a FBAC, que organiza o evento, a homenagem ao pintor Cruzeiro Seixas, "um dos máximos expoentes do surrealismo português", inclui uma mostra retrospetiva da sua obra plástica e poética.

"Através das 120 peças em exposição, provenientes de coleções públicas e privadas, será proposta ao público uma nova reflexão sobre o movimento artístico", sustentou a organização.

Ao longo do evento, "serão apresentadas mais de 600 obras, de 400 artistas, de mais de 30 países".

De acordo com dados da FBAC, a bienal de arte "mais antiga do país e, da Península Ibérica, contou, nesta edição, com a inscrição de 437 candidaturas e 717 obras de artistas oriundos de 43 países".

No total, "foram selecionados 162 trabalhos, de 143 artistas, que serão apresentados ao público no Castelo de Cerveira".

Aquelas obras foram selecionadas pelo júri do concurso internacional da 20.ª Bienal Internacional de Arte de Cerveira, que foi composto por artistas, investigadores e professores do ensino superior da área da arte contemporânea, entre eles, Albuquerque Mendes, António Olaio, Cabral Pinto, Jaime Silva, Ignacio Barcia Rodríguez, Miguel Carvalhais e Sandra Vieira Jürgens.

O programa da bienal integra ainda projetos curatoriais, artistas convidados, representações de 21 instituições de ensino superior nacionais e estrangeiras, performances, residências artísticas, oficinas, ateliês infantis, conferências e debates, visitas guiadas e espetáculos.

A vila transmontana de Alfândega da Fé é, nesta 20.ª edição, um dos polos expositivos da Bienal Internacional de Arte de Cerveira com a mostra "XX Artistas na Casa", que começa no sábado e termina a 23 de setembro.

A cumprir 40 anos de existência, o evento volta a alargar o seu âmbito expositivo, apresentando mostras em Alfândega da Fé, no distrito de Bragança, e em Monção, no Alto Minho. No final do ano, o Camões - Centro Cultural Português, em Vigo, na Galiza, acolherá também uma mostra da bienal.

Até setembro, "decorrerão ações espontâneas de artistas e performances, tanto no interior do fórum cultural de Cerveira como no espaço público, cujo conteúdo será desenhado de uma forma interventiva e em interação com os visitantes".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório