Meteorologia

  • 21 MAIO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

'O Malhadinhas' em nova edição com prefácio inédito de Maria Alzira Seixo

'O Malhadinhas', uma das obras mais conhecidas de Aquilino Ribeiro e "uma das mais apreciadas e populares da literatura portuguesa", vai ter uma nova edição, com prefácio inédito de Maria Alzira Seixo e ilustrações de Bernardo Marques.

'O Malhadinhas' em nova edição com prefácio inédito de Maria Alzira Seixo
Notícias ao Minuto

09:45 - 15/05/18 por Lusa

Cultura Literatura

"Decerto a obra mais conhecida do enorme escritor que é Aquilino Ribeiro" e "uma das mais apreciadas e populares", considera Maria Alzira Seixo, autora do prefácio à obra, que chega às livrarias no dia 25, reeditada pela Bertrand.

'O Malhadinhas' pode não alcançar em aparência a grandeza de 'A Casa Grande de Romarigães', mas "entra em despique com os elogios" feitos a romances como 'Andam Faunos pelos Bosques' ou 'O Homem que Matou o Diabo', embora seja uma narrativa curta e não seja um romance.

Não existe a típica construção linear do texto com as caracterizações de ambiente ou as construções de complexas ações humanas, mas antes o desenrolar da vida de um homem rústico, o tio Malhadas, herói da história, cuja temática "rica e criteriosamente desenvolvida", é o trabalho, a natureza, a vida no campo, o amor, a viagem, as relações humanas e os hábitos rústicos, descreve Maria Alzira Seixo.

A professora e ensaísta destaca ainda a "notável caracterização das personagens e do território que habitam" e o "estilo compósito que liga notação erudita e popular", que fazem deste "um dos textos mais significativos e mais belos da ficção" em português.

Contudo, apesar de curta, a narrativa é grande o suficiente para também não ser considerada um conto, uma vez que ultrapassa as suas dimensões restritas e episódicas, e a sua ação é medianamente complexa, pelo que pode considerar-se uma novela, defende.

"O modelo mais perfeito da novela picaresca em língua portuguesa", segundo a editora.

Contudo, Maria Alzira Seixo não considera que Malhadinhas seja um pícaro, embora lhe reconheça muitos traços em comum com o pícaro espanhol - a novela picaresca é um subgénero literário narrativo da ficção em prosa, muito característico da literatura espanhola, geralmente satírico e que descreve as aventuras de um herói malandro de classe social baixa.

"O Malhadinhas pode ser lido como apresentando certos traços dessa base cultural, mas, no fundo, é um herói que, sem precisões, não sofre necessidades, não tem fome nem padece de mínguas, nem faz caminhadas para fugir a perigos ou castigos da lei", explica, num apêndice ao prefácio.

O almocreve Malhadas, que é também narrador, descreve logo algumas das suas facetas: o prazer do domínio, a crença na cultura adquirida com a experiência de vida, a nostalgia da juventude, a consciência do valor de si mesmo, e o apego à terra e aos seres que a povoam, em especial, a família.

Em tom memorialista, "uma das fortes componentes da construção da obra", narra as suas viagens pelo centro interior do país, a vender e a comprar, sempre na companhia da sua mula, do seu alforge e da sua faca, que usa em defesa própria, seja para lidar com animais, arranjar comida ou defender-se dos perigos.

O pau de marmeleiro fica em casa, para usar nas feiras, quando lhe ferem a honra.

Maria Alzira Seixo destaca a forma como Aquilino Ribeiro joga com o seu texto, "numa espécie de embrechado de caixinhas chinesas, em que umas se tiram de dentro das outras", apresentando no início da obra uma "nota preliminar", a que se segue um introito, e finalmente o texto.

Na nota preliminar, um texto de tipo autoral, Aquilino Ribeiro explica a relação entre 'O Malhadinhas' e 'Mina de Diamantes' (a outra novela que se lhe segue, na mesma edição): 'O Malhadinhas' estava inicialmente incluído em 'Estrada de Santiago' (1922), mas acabou por ser publicado em volume autónomo, em 1958, e tornou-se diminuto para figurar sozinho em volume, razão por que acrescentou a novela 'Mina de Diamantes'.

A seguir, o introito surge em itálico e sem assinatura, diferenciando-se do restante texto e fazendo desta página já parte do romance, "mas de modo indecidível", ligando o extratexto ao próprio texto, conectando a palavra do autor com a palavra do escritor, considera Maria Alzira Seixo.

Neste mesmo texto, surge a voz de alguém que mostra conhecer a personagem que dá nome ao livro - apresenta o herói e faz a sua descrição como quem o conhece pessoalmente - e que se situa entre o autor e uma personagem testemunhal.

Sobre o estilo, Maria Alzira Seixo afirma que esta novela se apoia na vida e na morte, mas é um "texto estuante de vida", no qual a vida do "tio" António Malhadas é contada pelo próprio a uma entidade plural não nomeada - os leitores -, constituindo uma "fala interior que é paralela à ação desenvolvida".

A prosa é "rica em diversidade e em surpresa, com um vasto arsenal de regionalismos", em vocábulos e designações inesperadas, dada a variedade de regiões percorridas e situações enfrentadas, e, "acima de tudo, pelo português-de-lei que usa e, em muitos casos, o autor mesmo cria, de modo incomparável", descreve.

"Qualidade bem aquiliana, como é sabido, mas que neste livro atinge uma dimensão superior", sublinha.

Este volume, tal como a edição original, tem desenhos de Bernardo Marques, destacado ilustrador pertencente à segunda geração de pintores modernistas portugueses.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.