Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2021
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 27º

Edição

Defensores dos direitos digitais preocupados com remoção da app Navalny

Grupos defensores dos direitos digitais demonstraram hoje preocupação depois dos gigantes tecnológicos Google e Apple terem cumprido a lei russa e removido a aplicação de Alexei Navalny, na passada sexta-feira, considerando ser mau para a democracia.

Defensores dos direitos digitais preocupados com remoção da app Navalny

Getty Images

Notícias ao Minuto

07:10 - 23/09/21 por Lusa

Tech Rússia

A proibição da Rússia a duas das empresas mais ricas e poderosas do mundo irritou os defensores de eleições livres da liberdade de expressão.

"Esta é uma má notícia para democracia e para dissidência no mundo. Aguardamos por ver mais ditadores a copiaram a tática da Rússia", acusou Natalia Krapiva, assessora jurídica de tecnologia do Access Now, uma organização sem fins lucrativos que tem a missão de lutar pela liberdade na Internet.

As empresas de tecnologia que oferecem aos consumidores serviços de pesquisa e aplicações andam na "corda bamba", há algum tempo, em muitos dos países do mundo pouco democráticos.

À medida que a Apple, a Google e outras grandes empresas, como a Amazon, Microsoft e Facebook cresceram, aumentaram também as aspirações dos governos em utilizá-las para fins particulares.

"Agora, este é a criança da propaganda da opressão política", disse à agência de notícias AP Sascha Meinrath, um professor especialista em censura 'online' na Universidade Estadual da Pensilvânia, criticando o Presidente russo, Vladimir Putin.

A Google e a Apple "aumentaram a probabilidade de isso acontecer novamente", sustentou.

Questionadas pela AP, a Apple e a Google ainda não comentaram o caso, permanecendo em silêncio desde a semana passada.

A Google também negou o acesso a dois documentos no serviço 'online' Google Docs, que continha uma lista de candidatos aprovados pela aplicação "Smart Voting" ("Voto Inteligente", em tradução simples", e o YouTube bloqueou vídeos.

De acordo com uma fonte próxima do caso, a Google enfrentou pedidos legais de reguladores russos e ameaça de processo criminal contra funcionários se não cumprisse e removesse a aplicação.

A mesma fonte, que falou à AP de forma anónima por ser um assunto delicado, disse que a polícia russa visitou escritórios da Google em Moscovo, na semana passada, para executar uma ordem judicial, de modo a bloquear a "Voto Inteligente".

Funcionários da Google partilharam mensagens internas e imagens a ridicularizarem a remoção da aplicação.

Este tipo de reação na Google tornou-se muito comum nos últimos anos, quando as ambições da empresa começaram a entrar em conflito com o seu antigo 'slogan' corporativo, "Don't Be Evil" ("Não Seja Mau", em tradução simples), adotado pelos cofundadores Larry Page e Sergey Brin, há 23 anos.

Atualmente, Larry Page e Sergey Brin -- que fugiu da antiga União Soviética para os Estados Unidos da América (EUA) -- não estão envolvidos na gestão da Google, e o tema, que se celebrizou há mais de duas décadas, foi colocado de lado.

A Apple, por seu turno, apresenta um grande "compromisso com os direitos humanos", plasmado no seu 'site' na Internet, embora uma leitura dessa declaração sugira que, quando as leis governamentais e os direitos humanos estão em conflito, a empresa obedecerá aos governos.

"Onde a legislação nacional e os padrões internacionais dos direitos humanos diferem, nós seguimos o padrão mais elevado. Onde eles estão em conflito, nós respeitamos a lei nacional, enquanto procuramos respeitar os princípios dos direitos humanos internacionalmente conhecido", adianta.

Um relatório recente da Freedom House, uma organização sem fins lucrativos de Washington, descobriu que a liberdade global na Internet caiu pelo 11.º ano consecutivo e está sob uma "pressão sem precedentes", numa altura em que mais países prendem os utilizadores com "discursos políticos, socais ou religiosos".

As autoridades suspenderam o acesso à Internet em pelo menos 20 países, e 21 estados bloquearam acesso a redes sociais, de acordo com o estudo.

Os gigantes da tecnologia Apple e Google cumpriram a lei russa e removeram a aplicação de telemóvel da oposição, que incentiva a votar contra candidatos no poder, disse o Kremlin, no primeiro dia de eleições legislativas, na passada sexta-feira.

"Esta aplicação é ilegal no nosso país", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em conferência de imprensa.

"As duas plataformas receberam notificações" que as levaram a cumprir "o espírito e a letra da lei", acrescentou.

Leia Também: Google suspende acesso às instruções de voto de Navalny

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório