Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Acórdão do juiz sobre adultério? "Silêncio é sinónimo de cumplicidade"

A socialista Edite Estrela junta-se a muitas vozes que se têm revelado contra o acórdão em que a violência doméstica é desculpada devido ao adultério.

Acórdão do juiz sobre adultério? "Silêncio é sinónimo de cumplicidade"

O caso de um acórdão do Tribunal da Relação do Porto sobre uma vítima de violência doméstica começou por chocar o país e já chegou ao estrangeiro, com diversos meios de comunicação social a noticiarem o tema. Agora, é Edite Estrela a reagir ao caso.

Quando um juiz desrespeita a Constituição da República e a lei, eu, deputada, em nome da separação de poderes devo ficar calada? Não devo”, escreve a socialista, recordando aquilo que espoletou a polémica.

Sobre o juiz, Edite Estrela acredita que “pode ter a cabeça cheia de mitos e estereótipos sobre o comportamento da vítima e do agressor em casos de violência doméstica. Mas, no exercício da função judicial, não pode veicular preconceitos que atentam contra a dignidade pessoal da vítima e servir-se do seu estatuto para promover uma representação social contrária à lei e à Constituição”.

Nesta senda, a socialista defendeu a igualdade entre sexos, e foi perentória: “Os estudos revelam que o machismo mata. Todos os anos dezenas de mulheres são assassinadas pelos companheiros ou ex-companheiros. Repito a pergunta: se um juiz sentencia desobedecendo à Constituição e à lei o que lhe acontece?”.

A pergunta fica no ar, no texto que esta terça-feira publica na Ação Socialista, e a deputada assegura que “esta é daquelas situações em que o silêncio é sinónimo de cumplicidade”, o que a fez juntar-se às centenas de pessoas que procuram que o juiz seja responsabilizado pela sua decisão.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório