Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 24º

Volta do PS com participação de Pedro Nuno e cobertura territorial total

O PS aposta numa campanha às europeias de cobertura territorial total e na qual o líder socialista participará intensamente, havendo uma caravana principal da cabeça de lista, Marta Temido, e roteiros complementares de Francisco Assis ou Ana Catarina Mendes.

Volta do PS com participação de Pedro Nuno e cobertura territorial total
Notícias ao Minuto

17:48 - 23/05/24 por Lusa

Política Europeias

Num briefing com jornalistas sobre as linhas gerais da volta que o PS fará rumo às eleições europeias, o diretor de campanha, Pedro Espírito Santo, afirmou hoje que os socialistas estão empenhados numa "vitória no dia 09 de junho".

Focada na habitação, juventude e emprego - prioridades assumidas pela candidatura - a volta terá três tipos de ações: contacto com a população, visitas setoriais e `Encontros Europa´ (ao final da tarde ou à noite e que poderão ter o formato de comício ou de tertúlia/debate para discutir temas europeus).

Segundo o diretor de campanha, haverá uma "caravana principal", com a presença da cabeça de lista, Marta Temido, e "roteiros complementares" com outros candidatos, principalmente com os números dois e três, Francisco Assis e Ana Catarina Mendes.

O objetivo é que depois todas as caravanas estejam juntas "em grandes momentos da campanha" como no sábado, dia 01 de junho.

Pedro Espírito Santo antecipou uma "cobertura territorial total" da campanha socialista, explicando que Marta Temido e outros candidatos já têm feito diversas ações em diferentes locais do país, incluindo as ilhas.

Já Pedro Vaz, Secretário Nacional para a Organização, destacou o site que o partido criou para estas eleições -- portugalnaeuropa.pt -- e assegurou que "todas as pessoas do partido estão mobilizadas para a campanha".

Questionado sobre o envolvimento do secretário-geral do PS, Pedro Vaz afirmou que, tal como Pedro Nuno Santos já disse publicamente, "vai estar intensamente na campanha", sem adiantar mais pormenores.

Será expectável que se juntem ex-líderes do PS, mas sem especificar quem e em que momentos.

Presente neste encontro esteve Marta Temido, que disse esperar que a campanha "seja um momento que contribua para informar os portugueses" e prometeu um foco nas áreas politicamente relevantes.

A cabeça de lista do PS adiantou que se juntarão os eurodeputados que vão deixar o Parlamento Europeu após as eleições e outras figuras de destaque do PS.

A equipa da campanha confirmou que haverá candidatos a votar antecipadamente, sem adiantar quem serão.

Presente estará também o candidato dos Socialistas Europeus, Nicolas Schmit, que já esteve com o PS na descida da Avenida da Liberdade do 25 de Abril.

No domingo, véspera do arranque oficial, que coincide com as eleições regionais da Madeira, o PS não fará campanha.

Sobre a mensagem principal que o PS levará a estas eleições, Pedro Espírito Santo deu conta de uma "conexão entre temas europeus e temas nacionais", mas recusando a "espuma dos dias", sintetizando a ideia de "mais Portugal na Europa e mais Europa em Portugal".

Os socialistas comprometem-se a batalhar por uma "Europa que avança e que recusa qualquer resposta populista", que consideram que tem atualmente a "complacência da direita tradicional e moderada", e querem uma Europa que "trava ameaças de retrocessos".

Segundo o desenho da volta disponibilizado, segunda-feira, primeiro dia oficial, a caravana estará no distrito de Setúbal, rumando a Lisboa no dia seguinte, para o debate das televisões.

Na quarta-feira segue-se o Algarve e no dia seguinte Beja e Évora, viajando na sexta-feira a caravana socialista até Castelo Branco e Guarda.

Sábado, 01 de junho, será todo dedicado ao distrito do Porto e o domingo a Viseu.

A última semana de campanha arranca no Oeste e Santarém, seguindo-se Viana do Castelo e Braga em 04 de junho e, no dia seguinte, Bragança e Vila Real.

Dia 06 as atenções do PS focam-se em Coimbra e Aveiro e, no último dia de campanha, a caravana andará por Setúbal e Lisboa.

Leia Também: IL diz que PS "é tão confiável" como Albuquerque e Chega. "Não é não"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório