Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

PCP diz que PS, PSD e CDS "nada fazem" sobre polícias e GNR

O PCP exigiu hoje aos "demais partidos alguma coerência entre as palavras e os atos" sobre reivindicações de polícias e membros da Guarda Nacional Republicana (GNR), afirmando que PS, PSD e CDS "nada fazem nem deixam fazer".

PCP diz que PS, PSD e CDS "nada fazem" sobre polícias e GNR
Notícias ao Minuto

17:12 - 20/11/19 por Lusa

Política PCP

O deputado António Filipe, em declaração política, no parlamento, referiu-se à manifestação contra os baixos salários de quinta-feira, da praça do Marquês de Pombal para a Assembleia da Republica, em Lisboa, e organizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação Profissionais da Guarda (APG/GNR) e o autodenominado Movimento Zero, um conjunto anónimo de elementos das forças de segurança crítico do movimento sindical e cujos membros comunicam através das redes sociais, alegadamente ligado à extrema-direita.

"Quando se trata de elogiar a ação das forçar e serviços de segurança, os governantes não poupam palavras. Os governantes não poupam nos elogios, mas o problema é que não passam disso. As justas reivindicações dos profissionais deparam sistematicamente com a indiferença dos governantes, com a falta de diálogo e com a ausência de qualquer resposta", disse.

As associações profissionais da PSP e da GNR estimam que aquele protesto conjunto vá ser o maior de sempre das forças de segurança.

"Enquanto o PS, o PSD e o CDS nada fazem nem deixam fazer, os suicídios nas forças e serviços de segurança continuam em níveis alarmantes. Os profissionais não obtêm qualquer resposta às suas reivindicações e, consequentemente, aumenta a frustração e o descontentamento que obriga os polícias a sair à rua", continuou António Filipe.

Segundo o deputado comunista, "o PCPreapresentou nesta legislatura os seus projetos de lei sobre o estatuto da condição policial, condições de higiene e segurança no trabalho das forças e serviços de segurança e horário de serviço na GNR".

"Esperamos que haja de todos os demais partidos alguma coerência entre as palavras e o atos", desafiou.

O socialista José Magalhães criticou a tese de António Filie "de que não passam de elogios as palavras do Governo", porque "isso é desmerecer o trabalho em que o PCP colaborou na anterior legislatura", designadamente mais 450 milhões de euros para o setor da segurança, além de o novo programa de Governo conter a promessa de um lei de recrutamento para forças e serviços de segurança de três em três anos.

"Onde estava o PCP quando aprovou os orçamentos do Estado e a política de cativações que deixaram que se chegasse a esta situação?", questionou a social-democrata Mónica Quintela, condenando a execução de apenas 60% do previsto na lei quadro de programação de investimentos e "o estado em que estão a PSP e a GNR, as suas esquadras e a falta de equipamento".

O democrata-cristão Telmo Correia também lamentou a atual situação das forças e serviços de segurança e sugeriu a conivência do PCP.

"Falam, falam, falam, mas no fim votam e aprovam o orçamento do Estado do PS", acusou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório