Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

30 anos após a queda do Muro de Belim, PCP condena "euforia triunfalista"

O PCP condena a "onda de revisionismo histórico" e "euforia triunfalista", "os falsos prognósticos do 'fim da História'" e as "barreiras" que "o capitalismo continua a erguer" pelo "mundo fora", 30 anos após a "denominada 'queda do Muro de Berlim'".

30 anos após a queda do Muro de Belim, PCP condena "euforia triunfalista"
Notícias ao Minuto

08:32 - 08/11/19 por Lusa

Política Reação

A posição é dos dirigentes comunistas, num texto escrito em resposta à agência Lusa sobre a noite de 09 de novembro de 1989, na qual multidões de ambos os lados da barreira que dividia as partes oriental e ocidental de Berlim derrubaram o muro construído 1961 e passaram de um lado para o outro.

Acabou assim o período que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, conhecido como Guerra Fria, dominada pelas superpotências União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e Estados Unidos da América (EUA), e que dividiu o mundo, desde 1948, entre o bloco de Leste e o Ocidente pela Cortina de Ferro, a cerrada fronteira europeia, que se estendia desde o Báltico até ao Adriático.

"A passagem dos 30 anos após a denominada 'queda do muro de Berlim' tem servido de pretexto para mais uma onda de revisionismo histórico, em que a descontextualização e falsificação dos acontecimentos serve de mote para uma nova e sofisticada campanha anticomunista, em que o capitalismo celebra não só a anexação da República Democrática Alemã (RDA) pela RFA (Republica Federal Alemã), mas igualmente as derrotas do socialismo na União Soviética e noutros países do leste da Europa", lê-se no texto enviado à Lusa.

O PCP lamenta que se foque o evento "como se de uma vitória dos ideais da liberdade e de paz se tratasse".

Para os responsáveis comunistas portugueses, "é uma evidência que, com o fim da RDA e do campo dos países socialistas na Europa, a globalização capitalista que lhe sucedeu tornou o mundo mais oprimido, mais injusto, mais inseguro, demonstrando que o socialismo faz falta ao mundo".

Num tempo em que para impor o seu poder, o capitalismo continua a erguer por esse mundo fora barreiras do mais variado tipo (sociais, raciais, religiosas, entre outras), incluindo muros de betão, aço ou arame farpado, patrulhados por forças militares - da península da Coreia à fronteira dos EUA com o México, passando pela Palestina ou pelo Sara Ocidental -, é oportuno ter presente que o Muro de Berlim surgiu, em 1961, num período de fortíssima ofensiva do imperialismo contra a RDA

Segundo o texto, "o perigo do militarismo alemão, de tão trágica memória, não está afastado" e "tanto mais quando as forças de extrema-direita levantam a cabeça e, como acontece com a fascizante Alternativa para a Alemanha, ocupam já importantes posições no Bundestag (parlamento alemão) e nos parlamentos dos Ländern (Estados) alemães".

O PCP critica a "onda de triunfalismo suscitada pelo fim do campo socialista na Europa" e defende que "o capitalismo está a braços com o aprofundamento da sua crise estrutural e não só se revela incapaz de dar resposta aos problemas da Humanidade como, dominado pelo capital financeiro e especulativo, acentua a sua natureza exploradora, opressora, agressiva e predadora, o seu caráter profundamente injusto e desumano".

Desmentindo a euforia triunfalista após 1989 e os falsos prognósticos do "fim da história", a vida está a confirmar a validade e a atualidade do ideal e do projeto comunista", lê-se ainda no documento do PCP, o qual assegura que "o capitalismo está historicamente condenado" e "o socialismo e o comunismo são o futuro da Humanidade

"É com esta firme convicção que o PCP, lutando pela reposição da verdade histórica e expressando a sua ativa solidariedade a todos os povos, trava a sua luta em Portugal em defesa dos direitos, interesses e aspirações dos trabalhadores e do povo português, pela rutura com a política de direita e por uma política patriótica e de esquerda, por uma democracia avançada com os valores de Abril, parte integrante e indissociável da construção do socialismo e do comunismo", sublinham os comunistas portugueses.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório