Meteorologia

  • 16 JUNHO 2019
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 16º

Edição

Rangel não quis "discriminar concelhos" nem "explorar drama humano"

O cabeça de lista do PSD às europeias justificou hoje a opção de sobrevoar as áreas afetadas pelos incêndios de 2017 por não querer "discriminar concelhos" nem "explorar o drama humano", respondendo a críticas de um autarca do PSD.

Rangel não quis "discriminar concelhos" nem "explorar drama humano"
Notícias ao Minuto

21:33 - 14/05/19 por Lusa

Política Incêndios

Em declarações aos jornalistas à entrada para um jantar-comício em Arganil (Coimbra), Paulo Rangel desvalorizou o facto de as críticas terem vindo de um autarca social-democrata, José Brito, presidente da Câmara de Pampilhosa da Serra, e estranhou o interesse no tema.

"Nem dou relevância a isso, nem sequer isso justifica que estejamos aqui este tempo todo", afirmou.

Perante nova pergunta se já tinha falado ou iria falar com o autarca em causa, Rangel voltou a dizer não compreender "a relevância do tema", e considerou até "um pouco impertinente insistir nesse assunto".

O presidente da Câmara da Pampilhosa da Serra considerou hoje "uma afronta" à população o voo de Paulo Rangel pelas zonas ardidas em 2017, criticando o facto de o candidato do PSD às eleições europeias não ter posto "os pés" no território.

O cabeça de lista do PSD começou por dizer que ficou satisfeito "por ver que querem tanto" a sua presença.

"Fizemos uma visita técnica e política que teve dois critérios fundamentais: o primeiro foi não discriminar os concelhos, há muitos concelhos com esta situação e por isso fizemos uma visita que pudesse abranger todos e dar uma visão global da questão dos incêndios", afirmou.

Por outro lado, defendeu, "o timbre do PSD" no tema dos incêndios tem sido "não explorar o drama humano".

"Com estas duas premissas, abranger o máximo de concelhos possível, e não fazer o aproveitamento dos dramas humanos, esta foi uma solução mais equilibrada", considerou, defendendo que o voo de helicóptero que fez esta manhã pelas áreas ardidas em 2017 "foi muito útil".

"Porque é que se havia de ir a Pampilhosa da Serra e não a Góis ou a outros concelhos?", questionou, dizendo que "terá todo o gosto" de ir a este município após as eleições.

O cabeça de lista do PSD às europeias, Paulo Rangel, sobrevoou hoje, de helicóptero, durante cerca de uma hora, territórios afetados pelos grandes incêndios de 2017, como Pedrógão Grande, Pampilhosa da Serra ou Lousã.

Durante a tarde, num dia muito centrado na temática dos incêndios e da proteção civil Paulo Rangel visitou uma empresa de produtos alimentares congelados, localizada em Tábua (Coimbra), que aproveitou a linha de crédito para as empresas localizadas nas zonas afetadas pelos fogos de 2017.

"Esta empresa é um bom exemplo de como se pode dinamizar a economia dos territórios afetados, que aproveitou para fazer a expansão quando havia regressão no território", elogiou o cabeça de lista do PSD ao Parlamento Europeu.

Rangel salientou que, nas propostas europeias do PSD, existe uma grande aposta "no crescimento económico através das Pequenas e Médias Empresas (PME)".

"O que verificamos nos quatro anos do Governo Costa é que houve uma desistência das PME", acusou, salientando que foi por uma emenda do PSD que o plano de investimento europeu passou a incluir uma cláusula sobre a coesão territorial.

Ao final da tarde, Rangel visitou ainda o Museu do Azeite, na Bobadela, localizado no concelho de Oliveira do Hospital.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório