Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2019
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

Carlos Costa? "Uma entrevista de TV não é uma avaliação de idoneidade"

O Bloco de Esquerda exige uma resposta institucional por parte do regulador financeiro relativamente “ao seu governador”, sublinhando que “a comissão de inquérito à Caixa é um processo separado”.

Carlos Costa? "Uma entrevista de TV não é uma avaliação de idoneidade"

Mariana Mortágua indicou esta quarta-feira, em declarações aos jornalistas, que o Banco de Portugal (BdP) deve um esclarecimento cabal sobre Carlos Costa relativamente à sua intervenção em créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), quando este era administrador do banco público, entre 2004 e 2006.

A deputada bloquista sustenta que “há um conflito de interesses no BdP” porque o regulador “se recusa a avaliar a idoneidade do seu governador”. Este parecer, sublinhou a deputada, tem que ser dado pela instituição, uma vez que “a comissão de inquérito à Caixa é um processo separado”.

“Uma entrevista de televisão não é uma avaliação de idoneidade”, afirmou Mariana Mortágua, referindo-se à entrevista concedida por Carlos Costa à SIC, onde negou ter participado em créditos que "geraram perdas para a CGD" ou que "lesassem os interesses" do banco público.

Além disso, a bloquista destacou ainda que é necessário “compreender o carácter institucional desta questão” e acredita, portanto, que deve existir “uma resposta institucional do BdP” relativamente ao caso. "Não podemos brincar com assuntos sérios", diz.

Recorde-se que o Bloco de Esquerda apresentou, na segunda-feira, um projeto de resolução no qual pede a avaliação da idoneidade do governador do Banco de Portugal, considerando que Carlos Costa "não pode estar acima de escrutínio", e defendeu a sua exoneração do cargo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório