Meteorologia

  • 19 JUNHO 2018
Tempo
22º
MIN 21º MÁX 22º

Edição

Acusado de atear incêndio florestal julgado na quinta-feira em Leiria

O Tribunal de Leiria começa a julgar na quinta-feira um homem acusado de um crime de incêndio florestal na serra da Lousã que provocou prejuízos de 918 mil euros e cujo combate custou um milhão de euros.

Acusado de atear incêndio florestal julgado na quinta-feira em Leiria
Notícias ao Minuto

08:06 - 14/03/18 por Lusa

País Tribunal

Segundo o despacho de acusação, ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, no dia 08 de agosto de 2016, pelas 23:30, o arguido, de 68 anos e residente no concelho de Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, deslocou-se à serra da Lousã, próxima da sua casa, "com o intuito de atear fogo" àquela, "assim dando início a um incêndio que consumisse a densa e abundante vegetação que ali existia".

Após estacionar a viatura que conduzia na estrada nacional 236, o arguido dirigiu-se a um terreno em terra batida, onde, "com auxílio de um fósforo ou isqueiro que trazia consigo, lançou fogo à vegetação ali existente, com o propósito de que o fogo se propagasse às árvores de diversas espécies e demais vegetação envolvente, o que conseguiu, criando de imediato uma coluna de fogo e fumo", e depois fugiu do local.

"O foco de incêndio assim ateado pelo arguido deflagrou em local inserido numa extensa zona florestal, em plena serra da Lousã, com condições favoráveis à propagação das chamas, dadas as características do terreno", sustenta o Ministério Público (MP).

O MP explica que o terreno apresentava nalguns locais "acessos difíceis ou falta de acessos, com relevo irregular, com encostas com grandes declives", a que acresce as condições climatéricas favoráveis a este tipo de ocorrências, com temperaturas superiores a 32 graus, a continuidade de combustíveis arbustivos e a falta de humidade no solo.

Para o MP, "o fogo só não teve maiores dimensões dada a intervenção, no combate ao incêndio, de 123 bombeiros, 36 viaturas e dois meios aéreos".

Ainda assim, o incêndio supostamente ateado pelo arguido "consumiu 520 hectares, lavrando desde o dia 08 de agosto até ao dia 11 de agosto", provocou "prejuízos de 918 mil euros, tendo sido despendida a quantia de um milhão de euros" no seu combate.

O arguido vai ser julgado por um tribunal coletivo.

O início do julgamento está previsto para as 09:30.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.